Publicidade
Publicidade
Publicidade

Barulho, vagas de carros e animais são principais causas de brigas em prédios

Morar em condomínio é um exercício diário de paciência. Haja calma para lidar com o ruído do martelo na obra de cima, o vizinho fã de karaokê e os carros mal estacionados na garagem.

Quanto maior o prédio, pior. "Há muitos empreendimentos no estilo clube, com milhares de apartamentos, o que tem aumentado o número de conflitos. É um barril de pólvora juntar tantas famílias em um mesmo lugar", diz o colunista da Folha Márcio Rachkorsky, advogado especialista em condomínios.

Segundo ele, um dos principais motivos de discórdia entre vizinhos é o excesso de barulho, seja da festa na área de lazer, do latido de cães ou de um jogo de videogame. A conclusão foi resultado de um levantamento feito pelo advogado em mais de 2.000 prédios em São Paulo.

"É uma questão muito difícil, porque quem faz barulho acredita que não está incomodando e, por outro lado, tem vizinho que reclama de qualquer coisa", afirma.

O problema costuma ser maior quando há adolescentes que gostam de ficar até altas horas nas áreas de lazer do condomínio.

"Além de orientá-los para que respeitem as regras, os pais podem tentar criar espaços de convivência em que eles não prejudiquem os outros", diz Rosely Schwartz, professora de administração de condomínios da EPD (Escola Paulista de Direito).

No subsolo, há outra fonte de problemas: a garagem. A briga já começa na distribuição das vagas, que, em geral, são sorteadas em assembleia, de acordo com Rubens Filho, presidente da Aabic (associação de administradoras de condomínios).

"Existem vários tipos de critérios para realizar o sorteio, e a escolha de qual será adotado costuma dar muita dor de cabeça", explica.

A situação pode piorar quando há inadimplentes no prédio. Isso porque, em assembleia, os moradores podem proibir que os devedores participem do sorteio, restando a eles as vagas remanescentes. E nem todos ficarão satisfeitos com a decisão.

Zanone Fraissat/Folhapress
A arquiteta Maria Izabel Artidiello, 45, moradora e síndica de um prédio em São Paulo
A arquiteta Maria Izabel Artidiello, 45, moradora e síndica de um prédio em São Paulo

Veículos mal estacionados fazem o sangue subir à cabeça, lembra Schwartz. Quanto menos espaço na garagem, maior o risco de confusão.

Em relação aos animais, além dos latidos e miados, o mau cheiro também pode incomodar outros moradores.

"Nesse caso, é preciso tomar providências quanto à higiene da casa, não encarar o vizinho como uma pessoa chata", observa Schwartz.

Ela recomenda que os mascotes não circulem pelas áreas internas do edifício, principalmente para evitar que façam xixi ou cocô no capacho do vizinho.

E há ainda uma fonte de brigas mais recente, surgida nos últimos anos: grupos de moradores criados em redes sociais. Rachkorsky recomenda que haja sempre um moderador nesses espaços para evitar fofocas e trocas de agressões entre vizinhos.

NA PAZ

O primeiro passo para prevenir esses problemas é o síndico se comunicar bastante com os moradores.

"Ele deve investir em newsletters, informes oficiais, cartilhas e caixas de sugestões. Isso ajuda a prevenir conflitos", diz Rachkorsky.

Reavaliar o regulamento interno do condomínio de tempos em tempos, atualizando as regras, também pode ajudar a manter a paz entre as famílias.

Quando o incômodo passar dos limites, o morador tem que tomar providências. O primeiro passo é levar o problema ao síndico, que tem a função de mediar o conflito entre os vizinhos.

"Ele pode tentar conciliar as duas partes, chamando os moradores para conversar", afirma Schwartz. Se não der certo, ele pode aplicar advertências ou multas.

Em casos mais graves, como de roubos, depredação ou agressões, a solução é levar o problema à Justiça, com a ajuda de um advogado.

Confusão causa até bloqueio nas redes sociais

A arquiteta Maria Izabel Artidiello, 45, moradora e síndica de um condomínio na zona sul de São Paulo, já teve que administrar muitas confusões entre moradores.

Ela conta que, há alguns meses, dois vizinhos quase se agrediram após um desentendimento na academia. O motivo? Um deles colocou a trilha sonora para malhar a todo volume, o outro pediu para abaixar e, como resposta, foi ofendido. Ele recebeu uma notificação pelo episódio.

A arquiteta também já lidou com casos mais graves, como quando um condômino arranhou o carro de outro com um prego. O morador foi processado e teve que pagar indenização ao vizinho.

"Como síndica, tento reagir sempre da forma mais formal e sensata possível", diz.

Os desentendimentos continuam no grupo do condomínio em uma rede social, criado para facilitar a comunicação. "Há pessoas que publicam coisas absurdas, que xingam. Já tive que excluir pessoas de lá", diz.

Agressor pode perder direito de uso do imóvel

A secretária Silvani Aparecida da Silva, 52, teve que ir à polícia após ser agredida por uma vizinha, no fim de 2015.

Moradora de um condomínio na zona sul da capital, ela conta que a motivação da agressão foi um desentendimento entre crianças no parquinho. "A filha de uma amiga minha e a de uma vizinha trocaram empurrões enquanto brincavam, e ela foi tirar satisfação comigo", lembra.

Avener Prado/Folhapress
A secretária Silvani Aparecida da Silva, 52, em seu condomínio na zona sul de São Paulo
A secretária Silvani Aparecida da Silva, 52, em seu condomínio na zona sul de São Paulo

"Falei para deixar a história para lá, que era coisa de criança. Nessa hora, levei um soco no rosto", completa.

Silva terminou com o olho roxo e foi até a delegacia para registrar um boletim de ocorrência contra a vizinha.

Também passou a evitá-la a todo custo. "Ela já tentou puxar assunto comigo, mas evito totalmente", afirma.

De acordo com a secretária, o síndico não tomou uma atitude em relação ao episódio, mas o caso foi registrado na ata do condomínio.

Rubens Filho, presidente da Aabic, explica que em situações extremas um morador pode ser condenado a pagar multas e perder o direito de uso do imóvel. A expulsão do condômino de um prédio não está prevista em lei.

*

CALMA AÍ
Conheça as principais causas de brigas em condomínios.

GARAGEM
Os conflitos são motivados principalmente pela divisão das vagas, escolhidas por sorteio em assembleia, e por veículos mal estacionados.

ANIMAIS
Quando a higiene do bichinho de estimação não está em dia, os vizinhos sofrem. Latidos e miados frequentes também podem incomodar.

ADMINISTRAÇÃO
Conflitos entre o síndico e moradores são comuns. Por isso, é importante que qualquer decisão relevante seja aprovada em assembleia.

INFILTRAÇÃO
O dono do imóvel com vazamento talvez não colabore com o vizinho prejudicado. Decidir quem vai arcar com os prejuízos causa estresse.

REDES SOCIAIS
Discussões de moradores em redes sociais não podem ser menosprezadas. O síndico deve ficar atento a isso e tentar prevenir embates na vida real.

BARULHO
Música alta no salão de festas, martelo no andar de cima e bagunça nas áreas comuns até tarde são as principais fontes de estresse entre vizinhos.

Publicidade
Publicidade
Publicidade