Publicidade
Publicidade
Publicidade

Casa Cor 2017

Escritório estreante adota móveis 'faça você mesmo' do italiano Enzo Mari

Estreante na Casa Cor, o escritório Todos colocou, em seu espaço, uma seleção de peças emblemáticas do design, obras de arte, objetos vintage, materiais feitos com componentes reciclados e criações próprias, num ambiente flexível, onde há sobreposição de funções. Mais ou menos como acontece na casa de gente normal. Que come na sala, escreve na mesa da cozinha e assim por diante.

Mas ainda que a curadoria de objetos e mobiliário seja de muita qualidade, a ideia principal do espaço parece ser a da liberdade. De escolha, de arranjo, composição, da casa como espaço de atuação pessoal. Para sublinhar o papel do morador como consumidor ativo, o grupo de arquitetos inseriu móveis de autoconstrução dos anos 1970, desenhados para serem produzidos com materiais simples, como madeira e pregos, por qualquer pessoa.

As estantes e os armários construídos para a mostra pelo Todos foram desenhados pelo arquiteto italiano Enzo Mari e fazem parte do livro "Autoprogettazione", manual publicado pela primeira vez em 1974 com 19 projetos. Todos eles usam peças de madeira de tamanhos comerciais padrão e pregos para construir cadeiras, estantes e camas. Podem ser produzidos para uso próprio e não podem ser comercializados.

Nos anos 1970, Mari decidiu fazer um livro de receitas de móveis porque achava que as pessoas não entendiam seus projetos. Pensou que, fazendo com as próprias mãos, o consumidor teria a consciência da lógica do produto.

Lançou o livro junto com uma pequena exposição do mobiliário e já contou, em entrevista, que seus pares não receberam bem a iniciativa, criticando o fato de um designer ter se desresponsabilizado da "produção do conforto" e entregado ao consumidor esse papel.

Para a distribuir o livro, enviava exemplares por correio a quem lhe pedisse e mandasse selos postais. Recebeu milhares de cartas de agradecimento, algumas delas contando detalhes de como foi a fabricação dos móveis.

Em 2010, 35 anos depois, a Artek, casa de design finlandesa criada por Alvar Aalto, colocou a cadeira "Sedia", de Mari, em produção. Mas uma produção diferente: os clientes podiam comprar pranchas de pinus, pregos e instruções e construir as peças.

Em 2015, Mari concedeu, à organização de refugiados da África e do Oriente Médio Cucula, sediada em Berlim, os direitos para reproduzir seus móveis para venda e reversão de renda para eles. As peças foram construídas com madeira das cabanas de campos de refúgio provisório e barcos, segundo a Cucula.

A cultura do "Faça você mesmo" (DIY, de Do it Yourself) ganhou corpo a partir dos anos 1950 nos Estados Unidos e na Europa, bem antes que a ideia e os termos "open source" (código aberto) ou software livre se difundissem junto com a internet, a partir de 1998. Esse mesmo ideario desembocou no movimento Maker, que conclama as pessoas comuns a construir, consertar, modificar e fabricar os mais diversos tipos de objetos com suas próprias mãos, com projetos compartilhados e fabricação digital. Autonomia é a palavra.

Publicidade
Publicidade
Publicidade