Publicidade
Publicidade
Publicidade

grande são paulo

Construtoras priorizam compactos em Santo André

Para atrair mais compradores, as construtoras que lançaram empreendimentos residenciais em Santo André nos últimos três anos apostaram em imóveis pequenos.

O município apresentou o maior volume de lançamentos entre as cidades do ABC nos últimos três anos. Só ficou atrás de Osasco e Guarulhos, na região metropolitana, de acordo com um levantamento da VivaReal.

Foram 82 empreendimentos e 5.386 unidades lançadas em Santo André nesse período. Do total, 79,4% dos apartamentos têm até 70 metros quadrados. A maioria dos imóveis novos (73%) têm um ou dois dormitórios.

A MBigucci, construtora da região do ABC Paulista, volta seu último lançamento, o Sonata, para um público formado por estudantes, jovens casais e investidores.

O empreendimento, apresentado em julho deste ano, tem 196 unidades, que variam de 37 metros quadrados a 50 metros quadrados, e está localizado a 400 metros da Universidade Federal do ABC.

"A localização, o acesso ao transporte e o projeto compacto prometem um ótimo retorno de locação para alunos", diz o diretor de vendas da MBigucci, Robson Toneto.

Os valores partem de R$ 200 mil para os apartamentos de um dormitório.

Keiny Andrade/Folhapress
SANTO ANDRE- 09.12.2017 - ESPECIAL MORAR ABC - Retrato de Daiana Passarelli, enfermeira que mora no bairro de São Mateus, em São Paulo, para caderno especial do Morar. Tudo que ela faz se concentra no ABC: médicos, cabeleireiro, compras. Por achar a região mais tranquila, com ar de interior mesmo tendo oportunidades de cidade grande, ela comprou um apartamento em Santo André este ano, da construtora MBigucci. Foto: KEINY ANDRADE/FOLHAPRESS
A técnica de enfermagem Daiana Passareli, 29, em apartamento decorado de 40 metros quadrados, em Santo André

A técnica de enfermagem Daiana Passareli, 29, aproveitou a oferta de imóveis menores para comprar seu primeiro apartamento.

Moradora do bairro de São Mateus, na zona leste de São Paulo, Passareli optou pela compra na cidade do ABC por uma questão financeira.

"Moro com os meus pais e não tinha um valor alto para investir. Depois de procurar em São Paulo, notei que Santo André tinha opções melhores. Vou pagar R$ 215 mil em um apartamento de 40 metros quadrados", diz.

Ela acredita que o custo de vida na região também será mais baixo em comparação com a capital paulista.

De acordo com Nilson Colombo, proprietário da WP Criativa, agência especializada em marketing imobiliário do ABC, o perfil de Daiana Passareli é cada vez mais comum na cidade.

Berço de indústrias, Santo André acaba atraindo moradores da capital.

"Cerca de 15% dos novos proprietários de imóveis da cidade nos últimos anos moravam em São Paulo", afirma. Para Colombo, são pessoas que conseguiram trabalho no ABC ou consumidores que optaram pelo município por conta do perfil dos imóveis e valores mais acessíveis.

A Braido Ceceli Arquitetura e Construções esperou três anos até que a economia desse algum sinal de melhora para lançar o empreendimento Touch Studio Jardim, em outubro deste ano.

"Em princípio, nós compramos o terreno com a meta de fazer um lançamento comercial, mas com as dificuldades econômicas decidimos engavetar o projeto, que já estava pronto", afirma o diretor executivo da Braido
Ceceli, Amauri Ceceli.

NOVA ESTRATÉGIA

No ano passado, os executivos da construtora notaram a demanda crescente por imóveis menores na cidade e mudaram os planos.

Em pouco menos de dois meses, o empreendimento com apartamentos de 42 metros quadrados em formato de estúdio (com cômodos integrados) e valor a partir de R$ 275 mil, já teve 80% das unidades vendidas.

O condomínio oferece lavanderia para uso comum, áreas para armazenamento de utensílios e um espaço garden, que poderá ser utilizado para o plantio de horta.

"Mesmo com a crise econômica há alternativas para atrair consumidores e temos de nos adaptar às novas condições", afirma Ceceli.

Publicidade
Publicidade
Publicidade