Publicidade
Publicidade
Publicidade

Manutenção e bom anúncio ajudam a desencalhar carro difícil de revender

Há veículos que dão trabalho para serem repassados.

O aposentado José Domingos Batista, 79, tentou por três meses vender sua minivan da marca chinesa Jac, modelo J6, ano 2012. Procurou duas concessionárias, mas lhe ofereceram R$ 15 mil pelo carro, avaliado em R$ 30 mil na tabela Fipe.

"Quando comprei, não achei que a aceitação no mercado fosse ruim e que o valor pudesse cair tanto", diz.

Ele também anunciou em um site de vendas e chegou a receber uma proposta, mas desconfiou do comprador. Agora, espera vender ou trocar em uma feira de usados.

Danilo Verpa/Folhapress
Ossada suspeita de ser de João Leonardo da Silva Rocha, morto na ditadura militar, é exumada em Palmas do Monte Alto (BA)
O aposentado José Domingos Batista, 79, com sua minivan J6, da marca chinesa Jac

Alguns procedimentos ajudam na comercialização. Se for anunciar na internet, o proprietário precisa caprichar para concorrer com centenas de veículos semelhantes ao seu. Fotos feitas em lugares claros, que mostrem o carro por inteiro e limpo, são fundamentais.

Carros muito rodados assustam os compradores. Nesse caso, o jeito é abaixar o preço. "Já avaliei veículos ruins com 30 mil quilômetros e bons com mais de 100 mil, mas o mercado tem esse medo", diz o consultor automotivo Felipe Carvalho, especialista em encontrar veículos usados para seus clientes.

Estar com a manutenção do veículo em dia –e ter como provar isso– também ajuda. O proprietário deve guardar todos os comprovantes de revisões e consertos.

Carvalho afirma que esses cuidados valem para quem quer vender sem intermediários. Se for repassar para uma concessionária ou loja, não é preciso tanto. "O veículo vai ser desvalorizado de qualquer jeito, dificilmente o investimento em melhorias é recuperado", diz o consultor.

O principal fator que atrapalha a venda, para Bruno Tinoco, dono da oficina Motorfast, é a má fama causada por custos altos de manutenção.

Carros importados, antigos ou fora de linha têm peças caras e raras, e poucos sabem consertá-los. "É o carro que o rico não quer mais e o pobre não pode manter", diz Adalmo Geraldo Mourão, dono da revendedora Auto Nobre.

SEM MEDO

Há quem não tema veículos com fama de serem difíceis de revender. O administrador de empresas Renato Oliveira, 36, nunca teve um zero-quilômetro na garagem. Ele prefere comprar um veículo usado potente e completo e investir na manutenção.

Em fevereiro, trocou seu Honda Accord 2007 por um Lexus ES300 ano 2000, pelo qual desembolsou R$ 23 mil e gastou mais R$ 6.000 em manutenção. A geração atual do seu carro, modelo 2017, custa R$ 275 mil.

Oliveira afirma não ter preocupação, nem pressa, com a venda do carro. Ele encontrou um comprador para o seu Honda depois de dois meses e meio de anúncio.

*

RELAÇÃO DURADOURA
Exemplos de automóveis que são mais difíceis de repassar

Veículos de marcas que ficaram pouco tempo no país
-Geely EC7
-MG 550

Importados de alto luxo com mais de 10 anos de uso
-BMW X5
-Volvo S80
-Porsche Cayenne
-Audi A8

Nacionais (ou produzidos nos demais países do Mercosul) que não fizeram sucesso no mercado
-Peugeot 408
-Ford Focus Sedan
-Renault Symbol
-Chevrolet Vectra GT

Carros que deixaram de ser produzidos e têm alto custo de seguro e/ou de manutenção
-Fiat Marea
-Volkswagen Bora
-Ford Mondeo
-Chevrolet Sonic
-Citroën C4 Pallas

MANDE ELE EMBORA
Limpeza e informações claras aumentam chances de venda

-Limpe o carro antes de fotografar; procure um local com boa iluminação

-Se for usar a câmera do celular, fotografe na posição horizontal

-Tire fotos das duas laterais, da frente, do motor e do espaço interno

-Anuncie o ano, o modelo e a quilometragem do veículo

-Informe se está em dia com a manutenção

-Se os pneus forem novos, destaque no anúncio

-Verifique preços máximo e mínimo pedidos pelo mesmo modelo em anúncios para definir um valor médio

-Quilometragem baixa ajuda na venda. Se o carro rodou menos de 15 mil quilômetros por ano, destaque essa informação

-Seja simpático com os interessados e responda a todas as perguntas deles sobre o carro

-Ofereça um test-drive em local seguro e movimentado

FUJA DO MICO
Pesquisa na internet e papo com mecânico evitam encalhe futuro

-Pesquise o nome do carro ao lado de palavras-chave (modelo + manutenção, modelo + revenda, modelo + defeitos)

-Desconfie de carros anunciados muito abaixo do valor da tabela Fipe

-Converse com seu mecânico e pergunte sobre custos de reparo e de peças

-Veja em tabelas de preço por quanto tempo o modelo foi comercializado. Se não passou de três anos em linha, desconfie

-Verifique quanto custa o seguro: carros com manutenção cara ou peças difíceis de encontrar têm seguro com valor mais alto

-Séries especiais (relacionadas a eventos esportivos, por exemplo) tendem a se desvalorizar mais rápido

-Prefira cores neutras, como preto, tons de prata e branco

-Fuja de versões básicas, sem direção hidráulica e ar-condicionado

-Recuse veículos que não têm histórico de manutenção documentado

-Faça perícia (vistoria em postos credenciados) para verificar se o carro é clonado, de leilão ou recuperado por seguradora

Fontes: Adalmo Geraldo Mourão (Auto Nobre), Bruno Tinoco (Motorfast), Eduardo Ribeiro dos Santos (diretor da Matel), Felipe Carvalho e Julio Paterno (consultores automotivos)

Publicidade
Publicidade
Publicidade