Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
19/01/2012 - 12h29

Mais de 4,5 milhões assinaram petição contra lei antipirataria

Publicidade

DE SÃO PAULO

Segundo o Google, mais de 4,5 milhões de pessoas assinaram a petição on-line contra os projetos de lei antipirataria Pipa e Sopa. O Twitter disse que mais de dois milhões de posts sobre o tema foram tuitados na rede e cerca de 90 milhões de pessoas pesquisaram na Wikipedia sobre o tema.

Veja galeria de páginas de protesto contra a lei

Outros quatro milhões usaram a ferramenta de busca que a enciclopédia on-line disponibilizou para encontrar contatos de congressistas norte-americanos pelo CEP.

Enquanto isso, quase meio milhão de pessoas curtiram o post de Mark Zuckerberg no Facebook. O fundador da maior rede social do mundo diz que vai se opor a qualquer lei que tente ferir a liberdade da internet.

Os protestos, realizados por dezenas de milhares de sites nesta quarta-feira (18), minaram boa parte do apoio de congressistas aos projetos. Vários legisladores abandonaram e repensaram o suporte às leis que colocaram em lados opostos os interesses da nova mídia contra alguns dos mais poderosos interesses comerciais conservadores dos EUA.

SOPA

O Sopa (Lei para Parar com a Pirataria On-line, em inglês) tem colocado em fronts opostos setores do Congresso dos EUA, gigantes da área de entretenimento e titãs da internet, apoiados por juristas e acadêmicos.

A favor da lei, estão as indústrias de cinema, TV e música, além de provedoras de TV a cabo e internet.

No campo oposto, estão empresas como Google, Yahoo!, YouTube, Facebook, Foursquare e Mozilla, que afirmam que a linguagem vaga do projeto torna portais, sites de busca e redes sociais legalmente responsáveis por abrigar sites e links com conteúdo pirata e passíveis das mesmas penas: bloqueio sumário e veto a anunciantes.

Com esse ônus, a lei busca monitorar com lupa o conteúdo. As empresas, porém, dizem que é tarefa impossível e que seriam levadas a censura preventiva.

Editoria de Arte/Folhapress
 

Publicidade

Publicidade

Publicidade


 

Voltar ao topo da página