DE SÃO PAULO

Durante um período entre empregos, em 2009, o engenheiro e fotógrafo Tom Alves, 39, decidiu embarcar para a Nova Zelândia e aproveitar para, além de aprender inglês, conhecer as belezas naturais do país.

Hoje, ele considera a experiência um divisor de águas, já que antes a fotografia era apenas um hobby.

Nesse primeiro embarque, foram três meses viajando pelo país. "O país todo é lindo, em especial o sul –há muita diversidade, de praias exóticas a montanhas com neve".

Das atrações, ele destaca o monte Cook, que é o pico mais alto do país, com 3.724 metros de altura, e o fiorde Milford Sound. "Há uma estrutura incrível para todos os tipos de viajantes –de carro e motorhome, por exemplo.

O negócio se expandiu em 2017 para uma agência de viagem, a Travessia Expedições Fotográficas, guiada por Alves e sua mulher, Nataja, que também é fotógrafa. O foco do empreendimento é organizar viagens fotográficas e de aventura.

Nesse ano, a dupla deve ainda passar pelo Vietnã, Marrocos e Namíbia: tudo pensado para conseguir boas fotos, o que, para Alves, ainda não é suficiente. "É bom se jogar nos lugares e ter surpresas", diz.

Veja outras edições do Álbum de Viagem

Deserto americano, por Ana Teixeira
Natureza e cultura na Tailândia, por Higor de Pádua
A lavagem do Bonfim, por Atílio Avancini
O mundo pelo computador, por Jacqui Kenny
Expedição na Patagônia, por João Marcos Rosa
Tecnobrega em Belém (PA), por Bruna Brandão
Mesquita de Abu Dhabi, por Eduardo Sodré
Sandboard na América do Sul, por Ricardo Ribas e Digiácomo Dias
Deserto em Cores, por Emerson Murakami
Retratos de Alter do Chão (PA), por Alex Fisberg

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.