Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
21/06/2012 - 20h47

Presidentes de EBX e Vale defendem investimento sustentável e combate à pobreza

Publicidade

VENCESLAU BORLINA FILHO
DO RIO

Presidentes de duas das maiores corporações brasileiras --EBX e Vale--, Eike Batista e Murilo Ferreira defenderam, respectivamente, o investimento sustentável e o combate à pobreza no mundo. Eles falaram nesta quinta-feira (21) para uma plateia de 500 pessoas durante um fórum sobre sustentabilidade empresarial e governança no Humanidade 2012, evento organizado pela Fiesp e Firjan (federação das indústrias de São Paulo e do Rio de Janeiro) que ocorre paralelo à Rio +20 (conferência da ONU sobre desenvolvimento sustentável), no Rio.

Assista ao vivo a conferência

Leia mais no Especial Rio+20
Folha lança aplicativo sobre a Rio+20 para smartphone
Conte à Folha sobre sua vida 'sustentável'
Dilma samba em festa para líderes
Rio é tomado por todo tipo de protesto
Governo afirma que texto reflete ambição coletiva
Bachelet critica mudança em texto

Eike Batista afirmou que os governos não têm capacidade gerencial para projetos de sustentabilidade. O homem mais rico do Brasil tomou por base os investimentos das empresas que compõem a sua holding, a EBX. Um dos destaques é a Cidade X, projeto urbanístico e de moradia proposto para o entorno do Porto do Açú --megaprojeto de um porto localizado em São João da Barra, no norte fluminense. "Somos catalisadores do conceito de sustentabilidade, o que o Estado não tem capacidade gerencial de atuar nessa área", disse.

O investimento visa compensar os impactos do empreendimento. O bairro planejado, criado pelo urbanista Jaime Lerner, terá capacidade para 270 mil pessoas e ficará a 10 quilômetros do porto. O empresário deu outros exemplos de ações de sustentabilidade de suas empresas, como o projeto de despoluição da lagoa Rodrigo de Freitas, na zona sul do Rio, e disse que a educação é um dos caminhos para fixar o conceito ambiental. "Continuem cobrando de mim como um catalisador das questões socioambientais sustentáveis", disse.

Já o presidente da Vale afirmou que se sente "desassossegado" quando não dão atenção à pobreza. Se referindo às questões tratadas na conferência da ONU, Ferreira disse que os governantes não vão solucionar os problemas ambientais do mundo sem acabar com a pobreza. "A pobreza deveria estar suprimida, mas continua a violar os direitos humandos. O desafio agora é oferecer posicionamento econômico digno às 1,3 bilhão de pessoas que vivem abaixo da linha da pobreza. O hemisfério sul é o hemisfério da mudança e poderá viver em harmonia no futuro", disse.

O presidente da mineradora não quis polemizar sobre a atividade altamente poluente da empresa e deu como exemplo a preservação a floresta no entorno do campo de exploração de Carajás (PA). "A mineração mudou e hoje trabalha com alta tecnologia. Por isso, precisamos de uma economia verde para o mundo de hoje", disse.

 

Publicidade

Publicidade

Publicidade


 

Voltar ao topo da página