Descrição de chapéu Deutsche Welle

Em 5 anos, Antártida perdeu área de gelo submerso equivalente a Londres

Até agora, região era tida como relativamente estável

Anne-Sophie Brändlin

Há tempos cientistas mantêm ligado o sinal de alerta para a progressão do derretimento ao redor do polo norte. O ártico pode ficar completamente sem gelo por volta de 2040 devido às mudanças climáticas. Mas a Antártida, a região ao redor do polo sul, do outro lado do globo terrestre, era até então considerada mais estável, já que seu gelo enfrenta um derretimento mais lento e em um padrão menos regular.

Mapa mostrando o sentido de migração das linhas de solo e as condições térmicas do mar
Mapa mostrando o sentido de migração das linhas de solo e as condições térmicas do mar - University of Leeds

Um novo estudo científico que examinou o estado atual da camada de gelo da Antártida mostrou que as geleiras estão recuando rapidamente e, consequentemente, contribuindo para o aumento do nível do mar. Na verdade, a Antártida poderá em breve ultrapassar a Groenlândia e se tornar a maior fonte responsável pelo aumento do nível do mar.

Até agora, o recuo dos glaciares era determinado principalmente pela observação de cima da extensão da massa de gelo nos dois polos. Mas as geleiras estão retrocedendo também abaixo da água.

Parte do gelo na Antártida se estende até dois quilômetros de profundidade. E o derretimento da camada submersa é especialmente perigoso. Pense nos glaciares como gigantescos cubos de gelo que ficam abaixo da superfície do oceano, com apenas uma pequena parte acima do nível da água.

O limite entre a placa de gelo flutuante e o gelo ancorado abaixo dela é chamado de linha de aterramento —e esse é o parâmetro que precisa ser examinado ao estabelecer quanto e quão rapidamente os níveis do mar estão realmente aumentando.

O encolhimento das geleiras abaixo da linha de aterramento pode ocorrer por derretimento ou ao se desprender do fundo do mar ou do leito rochoso do continente por serem finas demais. Isso aumenta o nível do mar, e com o recuo da linha de aterramento é diminuída a capacidade da camada de gelo da Antártida de bloquear a água doce dos oceanos e a consequente limitação na elevação das águas.

Recuo mais rápido de geleiras

Por essa razão, os cientistas da Universidade de Leeds, no Reino Unido, criaram um mapa subaquático da Antártida com base em sete anos de dados de satélite e de conhecimento sobre a geometria da camada de gelo.

"Criamos um novo método que nos permite mapear linhas de aterramento e estudar seu recuo em toda a Antártida", diz o autor principal do estudo, Hannes Konrad. O cientista e seus colegas examinaram o quanto do gelo abaixo da superfície do mar tem diminuído devido à mudança climática e em qual velocidade. Eles ficaram chocados com as descobertas.

O aquecimento das águas fez com que a base de gelo perto do fundo do mar diminuísse significativamente. Segundo os pesquisadores, uma área de gelo submerso do tamanho da região metropolitana de Londres se tornou consideravelmente mais fina em apenas cinco anos e, consequentemente, descolou-se da bacia oceânica.

Ou o gelo já derreteu debaixo d'água ou está se movendo mais rapidamente em direção ao oceano, onde os icebergs se rompem.

Geleira
Antártida deve ultrapassar a Groenlândia e se tornar a principal fonte para o aumento do nível do mar no próximo século - Reuters

Isso ocorreu em meados de 2017, quando um iceberg com sete vezes o tamanho de Berlim se separou da plataforma de gelo Larsen C. Dois meses depois, a geleira Pine Island, no oeste da Antártida, perdeu um iceberg quatro vezes do tamanho de Manhattan.

Uma vez desprendidos, os icebergs deixam plataformas de gelo mais fracas para trás, levando a um fluxo mais veloz de geleiras do continente e, desta forma, a um aceleramento do aumento dos níveis do mar.

Os cientistas agora também são capazes de colocar o derretimento das geleiras num contexto mais amplo. Eles descobriram que quase um quarto das geleiras da Antártida ocidental está recuando atualmente mais rápido do que a corrente média de gelo no final da última era glacial, há cerca de 20 mil anos, quando os níveis do mar ainda estavam 120 metros mais baixos do que estão hoje em dia.

"Isso é bastante alarmante, especialmente para as pessoas que vivem em áreas costeiras", diz Konrad.

Ameaça para ilhas e cidades costeiras

A Antártida é o maior reservatório de água doce do planeta e tem o potencial de elevar significativamente os níveis do mar em todo o mundo. Um perigo real para países insulares e cidades costeiras, que poderiam ser inundadas.

Estudos anteriores mostraram que o glaciar Thwaites, por exemplo, uma das geleiras mais importantes da Antártida e sob ameaça do aquecimento dos oceanos, está regredindo cerca de 400 metros por ano nas últimas décadas. "Confirmamos que esta taxa ainda está atualizada", afirma Konrad.

Há indícios de que a geleira pode entrar em colapso nos próximos 500 a mil anos, segundo o cientista. "Se isso ocorrer, elevará em cerca de dois metros o nível de nossos oceanos", segundo Konrad. "O problema é que, mesmo que consigamos parar o aquecimento dos oceanos ou até resfria-los novamente, não há como a geleira se estabilizar novamente. Isso significa que certas ilhas deixarão de existir."

De acordo com Konrad, a Antártida deverá ultrapassar a Groenlândia e se tornar o principal impulsionador do aumento do nível do mar no próximo século.

"A Antártida Ocidental pode adicionar 4,5 metros ao nível do mar nos oceanos, então imagine o que acontecerá a uma cidade como Londres, que fica a exatamente essa altitude do nível do mar", diz Konrad. "Isso não ocorrerá imediatamente, então ainda há tempo para se ajustar, mas isso vai acontecer e temos que nos preparar e agir."

Outras pesquisas confirmam o motivo de preocupação. Anders Levermann, do Instituto para Pesquisa sobre o Impacto Climático (PIK, na sigla em alemão), em Potsdam, publicou um estudo semelhante em 2017. A pesquisa observou que as plataformas de gelo derretidas na Antártida podem ter um efeito sobre os fluxos de gelo e, consequentemente, acelerar o derretimento de gelo terrestre e elevar o nível marítimo.

"Isso mostra os riscos que corremos na Antártida, se não limitarmos o aquecimento do nosso planeta", afirmou Levermann após a publicação de seu estudo. "Limitar o aquecimento global é necessário para estabilizar as massas de gelo da Antártida, evitar muitos metros de aumento adicional do nível do mar e, portanto, proteger cidades como Nova York, Hamburgo, Mumbai e Xangai."

DW

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.