Comissão da Câmara aprova criação de política de redução de agrotóxicos

Projeto, alvo de debate entre ambientalistas e ruralistas, ainda passará pelo plenário da Casa

Angela Boldrini
Brasília

Comissão especial da Câmara dos Deputados aprovou nesta terça-feira (4) projeto que pretende criar uma política nacional de redução do agrotóxicos

O texto deve ser analisado agora pelo plenário da Casa, mas não há prazo para que isso ocorra. 
O relatório do deputado Nilto Tatto (PT-SP) prevê a criação de Política Nacional para a Redução de Uso de Agrotóxicos. 

Em junho, causou polêmica a aprovação, também em comissão, de projeto de lei que flexibiliza a regulamentação de agrotóxicos no país. O texto não foi a plenário. 

Segundo o texto de Tatto, serão criadas zonas livres e de uso restrito para agrotóxicos, principalmente perto de escolas, de bacias hídricas e áreas de proteção ambiental. 

Além disso, o texto determina que o poder público dê crédito rural especial para produtores que utilizem técnicas sustentáveis ou estejam assentados em terras de reforma agrária. 

Ele também veda o registro de produtos "extremamente tóxicos" e determina que o registro tenha de ser revalidado depois de dez anos e então a cada quinze anos. 

O projeto institui ainda a criação de um programa para avaliação de resíduos em alimentos, que seria tocado pela Anvisa. De acordo com esse artigo, seriam feitos testes a cada dois anos nas comidas de maior consumo da população.

O texto foi aprovado apesar de obstrução da bancada ruralista. Defensores do projeto aprovado em junho em comissão presidida pela deputada Tereza Cristina, eles dizem que é necessária modernização do uso de agrotóxicos no país. 
 

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.