Macron recebe líder indígena Raoni e oferece apoio para proteger o Xingu

Raoni, que faz turnê na Europa, pede 1 milhão de euros para proteger reserva

Paris | AFP

O presidente francês Emmanuel Macron recebeu nesta quinta-feira (16) o líder indígena Raoni e assegurou-lhe o apoio da França em sua luta para proteger a biodiversidade e os povos da Amazônia.

Por ocasião da reunião, o Palácio do Eliseu anunciou que a França planeja sediar uma cúpula internacional de povos indígenas do mundo inteiro, provavelmente em junho de 2020.

O chefe de Estado francês conversou por 45 minutos no Palácio do Eliseu com Raoni e três outros líderes da Amazônia —Kailu, Tapy Yawalapiti e Bemoro Metuktire — que realizam uma turnê na Europa até o final de maio. Ao final da reunião, eles levantaram os braços nos degraus do Eliseu.

O objetivo desta turnê europeia de três semanas é lançar um sinal de alerta junto à opinião pública e a líderes políticos para salvar a grande reserva do Xingu, uma enorme reserva de biodiversidade de cerca de 180 mil km2.

"Busco 1 milhão de euros para financiar muros verdes feitos de bambu, para delinear a grande reserva do Xingu, que tem sofrido com a intrusão permanente de traficantes de madeira e de animais, garimpeiros e caçadores, que vêm caçar em nossas terras", disse Raoni em uma entrevista publicada nesta quinta-feira pelo Le Parisien.

O Eliseu informou, após o encontro que a França "apoiaria o projeto de Raoni", como parte de "seu compromisso com a biodiversidade e no âmbito da presidência do G7" este ano. Esse compromisso, incluindo financeiro, será anunciado posteriormente.

Macron também publicou vídeo do encontro em sua conta no Twitter.

O desmatamento, que havia diminuído drasticamente na Amazônia de 2004 a 2012, voltou a crescer em janeiro, com uma alta de 54% em relação a janeiro de 2018, segundo a ONG Imazon.

Com Raoni, Emmanuel Macron também discutiu a situação das comunidades indígenas no Brasil.

"Como um país amazônico" com a Guiana, "a França está naturalmente comprometida com a luta contra o desmatamento e defende os direitos dos povos indígenas, especialmente como atores-chave na preservação das florestas e da biodiversidade e, por isso, engajados na luta contra as mudanças climáticas", ressaltou o Eliseu antes da reunião.

O tema é caro a Macron. Em outubro de 2018, ele alfinetou Bolsonaro após sua vitória na eleição presidencial sobre a possível saída do Brasil do Acordo de Paris, que busca reduzir as emissões de dióxido de carbono em escala global, e disse esperar manter a cooperação bilateral no âmbito da “diplomacia ambiental”.

“A França e o Brasil mantêm uma parceria estratégica em torno de valores comuns de respeito e de promoção dos princípios democráticos”, diz o comunicado divulgado pelo Palácio do Eliseu –Macron foi um dos primeiros chefes de Estado ou de governo europeus a se pronunciar sobre o resultado da corrida presidencial brasileira.

“É no respeito a esses valores que a França deseja levar adiante sua cooperação com o Brasil, para enfrentar os grandes desafios contemporâneos do nosso planeta, tanto no campo da paz e da segurança internacionais quanto no da diplomacia ambiental e dos compromissos com o Acordo de Paris sobre o clima”, disse na época.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.