Governo gasta R$ 79 mil para arrumar novo gabinete de Salles em SP

Foram gastos R$ 30 mil em móveis e R$ 49 mil em divisórias e portas; ministro disse estar otimizando espaços que devem receber o ICMBio

Rubens Valente
Brasília

​Em um momento de forte contingenciamento de verbas do governo federal, o Ibama de São Paulo gastou, em maio, R$ 79 mil na compra de sofás, cadeiras, mesas, divisórias e portas para criar um novo gabinete para o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, e para o presidente do órgão, Eduardo Bim. 

A nova estrutura funcionará no 10º andar da superintendência de São Paulo, a cerca de 1.000 km dos gabinetes de ambos em Brasília. A criação de gabinetes desse gênero é inédita na história da pasta do Meio Ambiente, criada há 34 anos, segundo servidores consultados pela Folha.

Salles tem residência em São Paulo e passou a marcar, com frequência cada vez maior, compromissos oficiais na capital paulista.

Foto da cabeça de Ricardo Salles, com foco em seus olhos
Ricardo Salles, ministro do Meio Ambiente - Amanda Perobelli/Reuters

Três ex-ministros consultados pela Folha, José Carlos Carvalho (2002), Carlos Minc (2008-2010) e Izabella Teixeira (2010-2016), disseram que nunca criaram um gabinete ministerial fora de Brasília. Izabella explicou que, em São Paulo, os ministros podiam sempre usar a estrutura já existente da Presidência da República no prédio do Banco do Brasil na rua Augusta. Quando surgia necessidade de uma audiência, os ministros solicitavam uma sala à Presidência. Carvalho disse que, em viagens, podia utilizar a estrutura do Ibama nos estados.

Minc disse que não há necessidade de tal gabinete externo, "ainda mais em tempo de vacas magras", e afirmou que Ricardo Salles "corta recursos e amplia despesas supérfluas". "Criei, em 2008, o Fundo Amazônia, e conseguimos a doação de US$ 1 bilhão da Noruega. Salles toma decisões equivocadas que podem inviabilizar o FA e as doações. Restam R$ 2,2 bilhões e o contrato permite o doador retirá-los se algum objetivo ou compromisso for descumprido. [Salles] também retirou muito da capacidade do Ibama multar", disse Minc. ​

Salles tem feito diversas críticas aos gastos na área ambiental e argumentou, em audiência na Câmara, que recebeu “frotas sucateadas e prédios abandonados”. Ele também contingenciou cerca de um quarto das verbas discricionárias do Ibama, reduzindo-as de R$ 368 milhões, em 2018, para R$ 279 milhões neste ano, o que pode comprometer ações de fiscalização e combate ao desmatamento em todo o país. 

Conforme os documentos obtidos pela Folha por meio da Lei de Acesso à Informação, a justificativa para os gastos do Ibama em maio foi a "aquisição com instalação de mobiliário para os futuros gabinetes para o senhor ministro do Meio Ambiente, senhor presidente do Ibama, sala para reuniões, espaço para recepção, de forma permitir um local de trabalho quando dessas autoridades no estado de São Paulo", e a partir de uma demanda da presidência do Ibama. 

De acordo com os documentos, o Ibama gastou R$ 3,5 mil para a compra de um sofá de dois lugares, R$ 5 mil para duas “cadeiras de diretor” e R$ 10 mil para cinco sofás de um lugar, entre outros itens. Foram gastos R$ 48,9 mil para compra e instalação das divisórias, portas e colunas. A ordem para criação dos gabinetes é tão incomum que o Ibama teve que contratar uma empresa especializada. O órgão consultou três empresas, e uma do Rio Grande do Sul venceu a disputa pelo critério do menor preço. Os móveis foram entregues em maio. 

A justificativa para as novas salas é a necessidade de trabalho do ministro e do presidente do Ibama na capital paulista. Da data da sua posse no cargo, em janeiro, até o final de abril, Salles havia mantido dez compromissos oficiais na cidade de São Paulo, dos quais apenas três ocorreram na sede da superintendência do Ibama, o que representou uma reunião a cada 40 dias. 

Em maio, mês que coincide com as reformas no 10º andar do Ibama, a agenda paulistana se intensificou. Foram sete compromissos na cidade, dos quais cinco coincidiram com dias próximos do final de semana, como sexta-feira e segunda-feira. Desses compromissos, três foram descritos na agenda oficial do ministro como “reuniões na Superintendência” do Ibama.

Nesta sexta-feira (7), o ministro divulgou uma agenda de trabalho novamente em São Paulo, onde iria conceder uma entrevista a uma jornalista japonesa e participar de uma “reunião do conselho de administração da Anav (Associação Nacional de Empresas de Aluguel de Veículos e Gestão de Frotas”. 

Procurada, a assessoria do Ibama informou: “Por orientação do Ministério do Meio Ambiente (MMA), sua demanda foi encaminhada à assessoria de comunicação do MMA para atendimento”. A assessoria do MMA não se manifestou até a publicação deste texto.

Pela manhã, poucas horas após o pedido de informações encaminhado pela Folha, o ministro Salles postou em sua conta em rede social uma fotografia no Ibama de São Paulo e o texto: "Com a reformulação da sede do Ibama-SP, sob o comando do major Davi, estamos otimizando e racionalizando espaços que devem receber também o ICMBio [Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade], e melhorar o atendimento à sociedade. Parabéns!"

Os documentos que tratam da reforma e instalação dos novos gabinetes do Ibama em São Paulo nada falam sobre o ICMBio. 

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.