78% dos brasileiros acham que agrotóxicos são inseguros

Para 72% dos entrevistados, alimentos produzidos no Brasil têm mais agrotóxicos do que deveriam, aponta Datafolha

Ana Carolina Amaral
São Paulo

​O consumo de alimentos com agrotóxicos é inseguro para a saúde humana na opinião de 78% dos brasileiros ouvidos pelo Instituto Datafolha em 4 e 5 de julho. Para 72% dos entrevistados, os alimentos produzidos no Brasil têm mais agrotóxicos do que deveriam. 


​A preocupação é maior entre as mulheres: 81% delas acreditam que o consumo de produtos com agrotóxicos é inseguro para a saúde. Entre os homens, a taxa é de 75%. Mais mulheres do que homens acham que há um excesso de agrotóxicos nos alimentos (74% contra 70%). 

A crença de que os defensivos agrícolas são inseguros ou são usados em quantidades maiores do que se deveria aumenta conforme o grau de escolaridade. Curiosamente, a preocupação diminui conforme a renda aumenta: 79% do que ganham até dois salários mínimos dizem que agrotóxicos são muito inseguros. Entre os que ganham mais de 10 salários, essa taxa é de 67%. 

A desconfiança em relação aos agrotóxicos é maior em capitais e cidades com mais de 500 mil habitantes. Nos dois casos, 74% acreditam que alimentos têm mais agrotóxicos do que deveriam. O índice cai para 69% nas cidades com menos de 50 mil habitantes.

Entre eleitores do presidente Jair Bolsonaro, 77% acham que alimentos com agrotóxicos são inseguros. O número sobe para 81% entre eleitores de Fernando Haddad e chega a 87% entre os que declaram ter votado branco ou nulo. 

Nesta segunda (22), o governo federal publicou no Diário Oficial a liberação de mais 51 tipos de agrotóxicos para venda no mercado ou uso industrial. Desde o início do ano são 290 substâncias liberadas, segundo levantamento da ONG Greenpeace. A tendência é que o ritmo de liberações supere o recorde do ano passado, quando o governo de Michel Temer autorizou a comercialização de 450 substâncias.

O uso de agrotóxicos de outras substâncias químicas perigosas pode estar relacionado a até 193 mil mortes por ano em todo o mundo, segundo dados da OMS (Organização Mundial da Saúde) publicados no último ano. A maior parte delas se dá por 'exposição evitável' a essas substâncias, com contaminações acidentais durante a aplicação dos produtos nas lavouras e também sua dispersão pelo ar e pela água. 

Por conta das contaminações, estudos mostram indícios de aumento do risco de diversas formas de câncer e de malformações na gestação, bem como redução da fertilidade masculina em populações que vivem próximas a áreas cultivadas com agrotóxicos. No entanto, ainda não há conclusões científicas suficientes sobre o impacto do consumo de alimentos com agrotóxicos para a saúde humana.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.