Índia usa zumbido de abelhas para afastar elefantes dos trilhos

Dispositivo usa alto-falantes para afugentar animais e evitar choques com trens

Nova Déli e São Paulo | AFP

As companhias ferroviárias indianas encontraram uma solução bastante original para manter os elefantes afastados dos trilhos: quando um deles se aproxima da linha, um sistema de alto-falantes emite um zumbido de abelhas. 


As ferroadas de abelhas, sobretudo ao redor dos olhos, aterrorizam os animais, que fogem.

Aldeões observam elefante morto após choque com trem em Mongpong, no estado de Bengala Ocidental - Diptendu Dutta/AFP

Quase 70 elefantes foram mortos por trens no país entre 2013 e 2019. A maioria dos casos ocorreu nos estados de Assam e Bengala Ocidental, ao norte, regiões onde os trilhos cruzam a mata densa.


Na fase inicial do “Plano Abelha” foram instalados 50 alto-falantes em dez corredores de elefantes nos bosques de Assam, lar de quase 6.000 paquidermes —20% de todos os exemplares do animal no país.


“Buscávamos formas de evitar que os elefantes se aproximassem das vias, e um de nossos funcionários propôs este dispositivo”, disse Jyoti Sharma, porta-voz da rede ferroviária indiana, à AFP.


Os zumbidos começam quando o trem se aproxima e podem ser ouvidos em um raio de 600 metros. 
O sistema foi elogiado por associações de direitos dos animais por ser eficiente e inofensivo. No estado de Kerala, ao sul, os aldeões usam cercas amarradas a colmeias, que ficam agressivas quando os elefantes avançam.


A África do Sul também tem buscado soluções para o risco do contato entre humanos e elefantes. 


Pesquisadores realizaram um experimento no Parque Nacional Krueger, impregnando panos com feromônios de abelhas apartadas do enxame quando a colmeia estava em ataque.


Dos 29 elefantes que se aproximaram do local onde os panos foram pendurados, 25 demonstraram “sinais típicos de alerta e incerteza” e se afastaram, segundo artigo publicado pela revista Current Biology.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.