Bolsonaro chama ajuda internacional anunciada por Macron de esmola

Foram oferecidos US$ 20 milhões (R$ 83 milhões) aos países amazônicos

Ricardo Della Coletta
Brasília

O presidente Jair Bolsonaro (PSL) chamou de esmola a ajuda de US$ 20 milhões de dólares (R$ 83 milhões) oferecidos pelos países do G7 e anunciada pelo presidente da França, Emmanuel Macron.   

"Tivemos um encontro na terça-feira (27) com os governadores da região amazônica. E ali só um falou em dinheiro, aquela esmola oferecida pelo Macron. O Brasil vale muito mais do que US$ 20 milhões", declarou Bolsonaro, em sua live transmitida nas redes sociais.

O anúncio do auxílio foi feito nesta segunda-feira (26) por Macron, que tem antagonizado o presidente Bolsonaro na crise diplomática aberta com a onda de incêndios na Amazônia. 

O Palácio do Planalto chegou a informar que o Brasil rejeitaria a oferta. No entanto, Bolsonaro disse depois que só aceitaria o montante caso Macron pedisse desculpas por ter dito que o mandatário brasileiro mentiu e se retratasse da sua proposta de discutir um estatuto internacional para a floresta amazônica. 

Floresta queima na região de porto velho no dia 29 de agosto de 2019
Floresta queima na região de Porto Velho no dia 29 de agosto de 2019
Ricardo Moraes/Reuters
 

Apesar do embate sobre o dinheiro do G7, o Brasil aceitou ajuda internacional de outros parceiros. Entre elas, um auxílio de 10 milhões de libras (cerca de R$ 50,6 milhões) proposto pelo Reino Unido.

Já o Chile e o Equador aceitaram contribuir com aeronaves e especializadas em combate a incêndios
A reunião mencionada por Bolsonaro com os governadores ocorreu na terça-feira, no Palácio do Planalto. 

Apesar da fala de Bolsonaro de que apenas um dos presentes levantou a questão dos recursos oferecidos pelo G7, os governadores do Pará (Helder Barbalho), de Roraima (Antonio Denarium) e do Amazonas (Wilson Lima) defenderam publicamente que o governo aceite o auxílio

Na live, Bolsonaro voltou a argumentar que países estrangeiros estão "comprando o Brasil à prestação".

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.