Descrição de chapéu Governo Bolsonaro

Bolsonaro mira no Exército para conter queimadas na Amazônia, mas reclama de falta de recurso

Alemanha e Noruega suspenderam recursos para a preservação da floresta por descontrole nos índices de desmatamento

Talita Fernandes
Brasília

O presidente Jair Bolsonaro (PSL) afirmou na manhã desta sexta-feira (23) que deve assinar uma GLO (Garantia da Lei e da Ordem) para que o Exército auxilie no combate às queimadas na Amazônia. 

"É uma tendência. A tendência é essa, a gente fecha agora de manhã", disse em rápida declaração ao deixar o Palácio da Alvorada. Questionado se pretende liberar recursos financeiros, o presidente disse que o problema é ter recursos para isso.

A declaração ocorre menos de 15 dias depois de países europeus, como Alemanha e Noruega, terem anunciado que suspenderiam recursos para o Fundo da Amazônia por descumprimento do Brasil na política de combate ao desmatamento. 

Acuado em meio a uma repercussão global dos incêndios na região amazônica, Bolsonaro disse que seu governo fará tudo que estiver ao alcance do governo.

Ele deixou o Alvorada apressado para despachar no Palácio do Planalto, onde se reúne com sua equipe para discutir saídas para a situação. Entre os pontos está a eventual assinatura da GLO. 

Uma reunião ampla com a equipe ministerial está prevista para a tarde desta sexta, com participação de representantes dos ministérios de cinco ministérios: Defesa, Relações Exteriores, Meio Ambiente, Secretaria-Geral da Presidência e Casa Civil.

Ainda na manhã desta sexta, o presidente participa de uma cerimônia em comemoração ao Dia do Soldado, no QG do Exército, em Brasília.

No evento, Bolsonaro tratou novamente do tema. Dirigindo-se aos militares, o mandatário afirmou que é "árdua a missão de desenvolver e defender a Amazônia". "Muito mais difícil foi a missão dos nossos antepassados de conquistá-la e mantê-la", declarou. 

O presidente também disse, sem citar nomes, que "não nos faltam inimigos como os de sempre, que teimam ganhar a guerra de informação contra a verdade". 

Após sofrer críticas do presidente francês Emmanuel Macron, Bolsonaro assinou na noite de quinta (22) um despacho que determina que toda equipe ministerial adote medidas de combate à série de queimadas na floresta amazônica.

O documento, que também prevê que as pastas ministeriais façam um levantamento dos focos de incêndio, foi assinado durante reunião de emergência promovida pelo presidente, no Palácio do Planalto. O encontro teve as participações dos ministros da Casa Civil, Meio Ambiente, Defesa, Agricultura e Relações Exteriores.

Na quinta, o presidente francês convocou, por meio das redes sociais, os países membros do G7 a discutirem a série de queimadas na floresta amazônica e classificou os incêndios criminosos de uma crise internacional.

O Palácio do Planalto tem minimizado o chamado de Macron e o classificado como uma "ameaça sem sentido". A aposta do entorno do presidente é de que, mesmo que o assunto seja discutido, o Brasil terá o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, como aliado para barrar qualquer possibilidade de retaliação ao país.

"O Macron não tem conhecimento do que está passando aqui, né. E essa questão das queimadas ocorrem em todo o período seco. Normalmente, ocorrem junto das cidades, junto de Manaus, Porto Velho, Rio Branco. Áreas meio degradadas", disse à Folha, o vice-presidente Hamilton Mourão.

Em live, nas redes sociais. Bolsonaro disse que o governo está buscando informações sobre a origem dos incêndios. Ele reconheceu que o desmatamento tem crescido, mas disse que não é fácil combater o problema, e sinalizou preocupação com eventual retaliação ao país.

"[Quero] dizer aos repórteres, aqueles que vão usar a parte, não todos, mas uma minoria que vai usar o que eu estou dizendo aqui para maldade, [vou] dizer a vocês: estamos no mesmo barco. A nossa economia está escorada nas commodities. Se o mundo resolver nos retaliar, e a economia nossa bagunçar, todos vocês repórteres vão sofrer as consequências", disse.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.