Cientistas dizem que, apesar de esperada, demissão de diretor do Inpe é chocante

Para pesquisadores, a exoneração pode prejudicar a imagem externa do país

Phillippe Watanabe
São Paulo

​Pesquisadores brasileiros dizem que a exoneração de Ricardo Galvão, diretor do Inpe, não é surpreendente, mas ainda assim é chocante e pode prejudicar a imagem do país no exterior. 

O ministro Marcos Pontes (Ciência e Tecnologia) decidiu exonerar nesta sexta (2) o diretor do Inpe (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais), Ricardo Galvão, após Bolsonaro, Ricardo Salles, ministro do Meio Ambiente, e o próprio Pontes criticarem dados sobre desmatamento.

O diretor do Inpe, Ricardo Galvão, foi exonerado pelo ministro Marcos Pontes nesta sexta (2)
O diretor do Inpe, Ricardo Galvão, foi exonerado pelo ministro Marcos Pontes nesta sexta (2) - Agência O Globo - Lucas Lacaz Ruiz

Luiz Davidovich, presidente da ABC (Academia Brasileira de Ciências), afirma à Folha que Galvão é um cientista respeitado internacionalmente pela sua competência, seriedade e ética profissional. "Ele tem a honestidade do cientista", diz. "É lamentável que o Brasil tenha aberto mão de um brasileiro que contribuiu tanto para o Brasil e que poderia continuar contribuindo."

O presidente da ABC se mostrou preocupado com a possibilidade de a exoneração de Galvão impactar outros centros de pesquisa, com cientistas sendo inibidos a tornar públicos dados de pesquisas. 

"Não queremos criar uma situação em que diretores de instituto fiquem inibidos de transmitir o que ciência tem a dizer sobre questões relevantes para a sociedade", diz Davidovich. "Porque eles vão ter que pensar se isso vai ser conveniente ou não para os políticos. Isso não faz parte da ciência."

O pesquisador afirma que a discussão de dados é sempre válida, mas que precisa ser feita a partir de argumentos científicos. 

"O Inpe está aparelhado para aumentar a precisão [dos dados de desmatamento], é só contratar um satélite. Pode atender a demandas governamentais de maneira mais barata do que empresas privadas", diz Davidovich. 

Junto às críticas aos dados de desmate do Inpe, Bolsonaro e Salles anunciaram que irão abrir licitação para contratação de empresas que façam monitoramentos diários, em tempo real e em alta resolução. 

Em nota, Carlos Rittl, secretário-executivo do Observatório do Clima, uma rede de 47 organizações da sociedade civil, diz que a exoneração é lamentável, mas esperada. "Ele selou seu destino ao não se calar diante das acusações atrozes de Jair Bolsonaro ao Inpe. Ao reagir, Galvão também preservou a transparência dos dados de desmatamento, ao chamar a atenção da sociedade brasileira e da comunidade internacional para os ataques sórdidos, autoritários e mentirosos de Bolsonaro e Ricardo Salles à ciência do Inpe."

Rittl também afirma que a imagem do Brasil fica comprometida pela "cruzada contra os fatos".

Ronald Cintra Shellard, diretor do Centro Brasileiro de Pesquisas Físicas, também disse que, apesar de esperada, a exoneração é chocante. Segundo Shellard, a demissão pode prejudicar a imagem do Brasil no exterior. “Esse evento vai trazer uma reputação para o país muito séria. Vai ter consequência muito negativa sobre como o país trata os cientistas."

O diretor da CBPF usa artigo da revista científica Nature, publicado nesta quinta, como exemplo. O texto “‘Tropical Trump’ sparks unprecedented crisis for Brazilian science” (‘Trump tropical' leva ciência brasileira a crise sem precedentes, em tradução livre) cita os ataques de Bolsonaro aos dados produzidos pelo Inpe.

Shellard afirma que a indignação do pesquisador é compreensível. “Cada um teria reagido de maneira distinta, mas o ponto fundamental é que não é aceitável que autoridades faltem com respeito a subalternos”, diz o diretor do CBPF. “Autoridades não têm o direito de faltar com respeito ao cidadão.”

Segundo Shellard, é preciso deixar claro que o desmatamento na Amazônia é uma responsabilidade dos ministros, do presidente e de toda geração atual com as pessoas que estarão vivas em 2100. 

“O Presidente da República tem uma filha nova que vai estar viva em 2100. A questão da Amazônia vai ter um impacto importantíssimo na vida dos nossos filhos e netos. É preciso ter responsabilidade para entender o que está acontecendo antes de reagir”, diz o pesquisador. 

“Ironicamente, do ponto de vista político, Galvão sempre foi conservador”, diz Shellard, que era vice-diretor do CBPF no período em que Galvão foi diretor do centro.

Márcio Astrini, coordenador de Políticas Públicas do Greenpeace, diz, em nota, que a exoneração de Galvão é um ato de vingança. "Bolsonaro sabe que seu governo é o principal responsável pelo atual cenário de destruição da Amazônia. A exoneração do diretor do Inpe é apenas um ato de vingança contra quem mostra a verdade. O novo governo vem implementando no país um projeto antiambiental, que sucateia a capacidade do Estado de combater o desmatamento e favorece quem pratica o crime florestal."

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.