Colômbia e Peru convocam países da Amazônia para cúpula sobre incêndios

Região foi atingida por um recorde de queimadas; reunião deve acontecer em setembro

Maria Cervantes
Lima | Reuters

Os presidentes do Peru e da Colômbia pediram na terça-feira (27) aos países amazônicos que participem de uma reunião no próximo mês sobre os incêndios florestais que ocorrem no Brasil e na Bolívia e forjem um pacto para proteger a maior floresta tropical do mundo.

A reunião está programada para ocorrer na região amazônica de Letícia, na Colômbia, em 6 de setembro, disseram os dois países em comunicado após o encontro do presidente peruano Martin Vizcarra e do presidente colombiano Ivan Duque.

 Presidente peruano Martin Vizcarra (à dir.) e o líder colombiano Ivan Duque falam à imprensa no encontro em Pucallpa, na Amazônia do Peru
Presidente peruano Martin Vizcarra (à dir.) e o líder colombiano Ivan Duque falam à imprensa no encontro em Pucallpa, na Amazônia do Peru - AFP/Andina/Renato Pajuelo

Vizcarra disse que a reunião procurará comprometer os países com um plano comum de proteção da floresta tropical na bacia amazônica, compartilhado por Brasil, Peru, Colômbia, Venezuela, Equador, Bolívia, Guiana e Suriname.

Os incêndios no Brasil criaram uma grande crise para o governo de direita do presidente Jair Bolsonaro, que está perdendo popularidade e se vendo isolado no cenário global por sua resposta a chamas que ameaçam o que muitos veem como um baluarte contra as alterações climáticas globais.

Duque classificou os incêndios no Brasil como preocupantes, e disse que as pessoas em todo o mundo precisam se conscientizar de como contribuem para as mudanças climáticas.

Os incêndios não se limitam ao Brasil, com pelo menos 10.000 km² queimando na Bolívia, perto de sua fronteira com o Paraguai e o Brasil.

O presidente de esquerda boliviano, Evo Morales, convocou uma reunião de emergência dos países amazônicos na última sexta-feira, mas disse que alguns países demonstraram falta de interesse por razões ideológicas.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.