Descrição de chapéu The New York Times

Com aquecimento do clima, Islândia já se prepara para um futuro sem gelo

País enfrenta derretimento de geleiras devido ao aumento das temperaturas

Liz Alderman
The New York Times

​​Do escritório da empresa de pesca fundada por sua família há duas gerações, Adalsteinn Ingólfsson vê a enorme geleira de Vatnajökull encolher a cada ano. A alta da temperatura já reduziu os tipos de peixes que ele consegue pescar. Mas o derretimento da a maior geleira da Islândia cria um desafio estranho para ele.

“Ela está derretendo tanto que a terra está subindo do meio do mar”, afirma Ingólfsson, executivo-chefe da Skinney-Thinganes. “Nossos barcos maiores têm dificuldade em entrar e sair do porto.”

O aquecimento do clima não afeta apenas Höfn, onde a diminuição do peso de Vatnajökull sobre a crosta terrestre está drenando fiordes e deslocando sedimentos subterrâneos, deformando as tubulações de esgoto da cidade.

Enquanto a temperatura no Ártico sobe mais rápido que em qualquer outra parte do planeta, a Islândia inteira está tendo que encarar a perspectiva de um futuro sem gelo.

Pessoas andam sobre o local onde ficava a geleira islandesa Okjökull, que foi declarada morta  - Jeremie Richard/AFP

Produtores energéticos estão modernizando usinas hidrelétricas e enterrando dióxido de carbono em rochas para impedir que ele fique na atmosfera.

São discutidas propostas para construir um novo porto em Finnafjord para capitalizar com o potencial tráfego de embarcações de carga à medida que transportadoras competem para abrir rotas no meio do gelo derretido.

O setor pesqueiro reduz seu consumo de combustíveis fósseis, adotando embarcações eficientes em termos de consumo.

Geleiras cobrem mais de um décimo da área da Islândia. Todas elas estão derretendo. Enquanto outros países enfrentam elevação do nível do mar, a Islândia assiste à elevação da terra em sua parte sul, e encara o clima e as mudanças na paisagem como uma questão de urgência nacional.

Em julho, a capital, Reykjavik, teve sua temperatura mais alta da história. A economia  está na cúspide de uma recessão, em parte porque o peixe capelim,um importante produto de exportação, sumiu neste ano à procura de águas mais frias. 

“Já não é algo de que se pode falar em tom de piada”, diz o presidente islandês, Gudni Jóhannesson. “Estamos assumindo a responsabilidade de procurar soluções concretas. Mas podemos fazer melhor.”

Em 2017, foi eleita como primeira-ministra a ambientalista Katrín Jakobsdóttir, cujo governo reservou US$ 55 milhões em cinco anos para reflorestamento, conservação da terra e projetos de transporte sem carbono. Mais será gasto até 2040, quando o país prevê que seja tirado da atmosfera tanto carbono quanto é lançado.

Mas ativistas dizem que isso ainda não fará da Islândia exemplo a ser seguido. Apesar de produzir energia geotérmica e hídrica limpa, grandes indústrias geram um terço do carbono do país.

O turismo, que desde a crise de 2008 virou o maior motor de crescimento, está em alta pelo clima mais quente, mas intensifica o problemas, já que aviões aumentam as emissões de carbono per capita para o nível mais alto da Europa.

O derretimento ainda deve supersaturar bacias hidrográficas, e cientistas preveem que depois elas sequem. A estatal Landsvirkjun, que gera três quartos da eletricidade do país, está construindo espaço para turbinas de água adicionais em suas barragens.

“Pensamos no que vai ocorrer nos próximos 50 a cem anos”, diz Óli Grétar Blondal Sveinsson, vice-presidente executivo de pesquisas e desenvolvimento. “Não haverá mais geleiras.”

Tradução de Clara Allain

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.