Às vésperas de discurso na ONU, Bolsonaro prorroga uso de Forças Armadas na Amazônia

Ação dos militares na Amazônia fica estendida até 24 de outubro; país enfrenta forte pressão internacional

Ricardo Della Coletta Thiago Resende
Brasília

Às vésperas de embarcar para a Assembleia Geral da ONU, o presidente Jair Bolsonaro (PSL) prorrogou por mais 30 dias o decreto que permite o emprego das Forças Armadas na Amazônia para combater focos de incêndio e delitos ambientais. 

 

O decreto original que instituiu a chamada GLO (Garantia da Lei e da Ordem) ambiental é de 23 de agosto e tinha validade de um mês. Agora a ação dos militares na Amazônia fica estendida até 24 de outubro. 

A GLO ambiental autoriza o emprego das forças armadas "nas áreas de fronteira, nas terras indígenas, nas unidades federais de conservação ambiental e em outras áreas dos estados da Amazônia Legal".

A prorrogação da validade do decreto ocorre poucos dias antes de Bolsonaro viajar a Nova York, onde discursará na reunião anual de líderes mundiais.

 
Avião C-130A da Força Aérea Brasileira (FAB) usado para combater focos de incêndio na Amazônia, partindo de Porto Velho (RO) - FAB/Divulgação

O Brasil enfrenta forte pressão internacional em razão da onda de queimadas na Amazônia. 
Auxiliares do presidente temem que ele seja alvo de algum tipo de protesto após a troca de críticas públicas com países europeus sobre a crise ambiental que o país atravessa.

Bolsonaro antagonizou principalmente com o presidente da França, Emmanuel Macron, que chegou a defender uma espécie de status internacional para a Amazônia.

O mandatário brasileiro tem usado a fala do francês para acusar alguns países europeus de quererem interferir na soberania nacional na floresta. 

Apesar do histórico de embates públicos, Bolsonaro disse nesta quinta-feira (19) que não pretende "brigar com ninguém" na Assembleia Geral da ONU. 

"Ninguém vai brigar com ninguém lá, pode ficar tranquilo", disse o presidente, durante uma transmissão ao vivo nas redes sociais. "Vou apanhar da mídia de qualquer maneira, mas eu vou falar como anda o Brasil nessa questão [ambiental]", acrescentou. 

A publicação em agosto do primeiro decreto da GLO ambiental também ocorreu às vésperas de uma reunião internacional que prometia jogar forte pressão sobre o Brasil e a onda de incêndios no país.

À época, a cúpula do G7 se reuniu em Biarritz, na França, e Macron havia defendido poucos dias antes que a situação na Amazônia fosse debatida no encontro. 

O Brasil atribuiu à influência dos Estados Unidos e ao alinhamento de Bolsonaro com Donald Trump o fato de a ideia de Macron de se discutir um status internacional para a floresta ter perdido força após o G7.  

 
Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.