Desmatamento da Amazônia alimenta mercado de carne, soja e madeira

Empresas são cúmplices de ilegalidades, diz estudo; companhias dizem escolher parceiros com zelo

Ana Carolina Amaral
São Paulo

Grandes empresas como JBS, Bunge e Santander são apontadas como cúmplices do desmatamento da Amazônia em um estudo que investigou as relações entre grupos autuados pelo Ibama e grandes consumidores de commodities nos Estados Unidos e na Europa. 

Embora atividades ilegais de desmatamento, queimada e ocupação de terras griladas com gado sejam frequentemente tocadas por grupos independentes de grandes exportadores, o lucro que mantém o ciclo prosperando na Amazônia é apoiado por cadeias globais de consumo de commodities, principalmente madeira, carne e soja.

Alguns meses antes da assinatura do acordo comercial entre União Europeia e Mercosul, firmado no final de junho, uma investigação liderada pela ONG Amazon Watch, em parceria com organizações brasileiras e europeias, buscou ligar os pontos dessas cadeias produtivas. 

O objetivo era alertar consumidores europeus e americanos —que respondem respectivamente por 18% e 11% da exportação das commodities brasileiras— sobre sua responsabilidade para com a conservação da Amazônia. 

Queimadas no último dia 6 ao longo da Transamazônica (BR-230), na região de Rurópolis, no sudoeste do Pará, a 1.170 km de Belém  - Johannes Myburgh/AFP

O estudo, concluído em abril, investigou relações comerciais de 56 empresas autuadas pelo Ibama nos últimos dois anos com marcas consumidas na Europa e nos Estados Unidos. 

Entre as dezenas de multinacionais encontradas como compradoras de empresas que cometeram infrações recentes, estão os maiores frigoríficos brasileiros, como o grupo JBS, e gigantes da produção de soja, como Bunge e Cargill. 

Em nota, Bunge e Cargill negam que suas atividades tenham relação com desmatamento e contestaram as autuações do Ibama. “São infundadas”, diz a nota da Cargill. 

Já a JBS afirmou que monitora diariamente as fazendas fornecedoras de gado com imagens de satélite e cruza dados com a lista de áreas embargadas pelo Ibama e com a lista suja do trabalho escravo do Ministério da Economia. 

“Qualquer fazenda que não atenda aos critérios é imediatamente bloqueada no sistema de compras da empresa”, diz a nota, sem fazer referência às evidências de compras de fazendas irregulares mostradas pelo relatório. 

Uma delas aponta que uma fazenda da AgroSB, autuada pelo Ibama, concorreu ao título de “melhor lote de animais abatidos pela JBS” em janeiro de 2017.

Embora as grandes empresas tenham políticas de compra responsável e afirmem que não compactuam com o desmatamento, a falta de transparência das cadeias produtivas de commodities torna o compromisso difícil de ser averiguado —tanto pelas empresas consumidoras quanto por investigadores externos à cadeia. 

Antes de chegar às prateleiras dos supermercados, os produtos feitos a partir da soja passam por diversos atores intermediários —como fazendeiros, exportadores, processadores, criadores de gado e varejista— o que aumenta a dificuldade de rastreamento e garantia de origem.

No caso da carne, o desafio é maior, já que o gado pode ser criado em áreas ilegais e depois transportado para fazendas regularizadas. 

Em nota enviada à reportagem, o Grupo Pão de Açúcar afirma que consegue garantir a origem das carnes com o selo Rubia Gallega. 

Apesar de afirmar que monitora fornecedores por satélite e que os seleciona com critérios socioambientais, o grupo reconhece como desafio “a rastreabilidade de produtores indiretos: normalmente fazendas que antecedem a fase de abate, fase de reprodução, desmame e engorda”.  

“Ninguém até hoje teve vontade de fazer o rastreio do boi desde o nascimento”, diz Caio Magri, presidente do Instituto Ethos de Empresas e Responsabilidade Social. Ele sugere que a tecnologia de chip seja usada para rastrear o boi desde o nascimento, a um custo estimado de R$ 10 por cabeça de gado —vendida a cerca de R$3.000 após o período de engorda.

“Com raras exceções certificadas, não existe hoje uma rastreabilidade e uma confiabilidade para carne, soja e madeira retiradas da Amazônia”, ele afirma, defendendo que uma terceira parte seja responsável pelo rastreio. “Não dá para confiar nas empresas”. 

Embora a competitividade dos mercados de commodities pressione territórios pela busca de redução de custos, Magri aposta que as matérias-primas também podem ser valorizadas por seus diferenciais. “Apesar de ser commodity, você tem que ter preocupação de diferenciar seu produto”, afirma. 

“Hoje o Brasil exporta açúcar orgânico, que é uma commodity. Mas a Native embala o açúcar de forma diferente e não permite que se misture. Lacra e garante que é orgânico. A Maggi exporta soja e garante que não é transgênica. Se misturar, perde valor”, diz.

“As empresas não conseguem ou não querem rastrear fornecedores secundários. Podem ter políticas, mas não estão seguindo completamente”, diz Christian Poirier, diretor do programa brasileiro da Amazon Watch. 

O estudo da Amazon Watch encontrou relações mais transparentes dessas cadeias com o mundo financeiro. Com isso, apontou quais bancos e acionistas investiram em empresas que não garantem uma origem “livre de desmatamento” para seus produtos. Entre dezenas de bancos internacionais, figura um conhecido pelo público brasileiro, o Santander. 

Procurado pela Folha, o banco afirmou por meio de nota que as empresas mencionadas no relatório teriam cumprido acordos firmados com o Ministério Público Federal para ‘garantir a procedência dos animais adquiridos na região amazônica’. 

A nota diz que o Santander usa critérios socioambientais para avaliar sua carteira de clientes, mas não cita a relação do banco como investidor, com participações em emissão de dívidas e também como acionista de frigoríficos citados no relatório. 

Ao longo de 2019, os autores do estudo estão mantendo diálogos com as empresas compradoras para alertar sobre sua cumplicidade com o desmatamento. “Algumas delas já cortaram negócios com empresas autuadas”, diz Poirier.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.