Descrição de chapéu The New York Times

Prefeitos na França desafiam o governo federal e proíbem agrotóxicos

Líder ambientalista da Bretanha foi copiado por prefeitos de outras 40 cidades

Adam Nossiter
Langouët (França) | The New York Times

Se a França está passando por um despertar ecológico, seu centro espiritual talvez seja a silenciosa aldeia de Langouët, na Bretanha, onde o prefeito ambientalista se tornou um herói para outros líderes de pequenas cidades em todo o país.

Dezenas de prefeitos estão seguindo o exemplo do líder de Langouët, Daniel Cueff, ainda que o governo francês o tenha repreendido, levado à Justiça, e determinado que ele, o responsável por apenas 600 munícipes, não tinha direito a proibir o uso de agrotóxicos por uma ordem municipal.

Outros prefeitos franceses, dos Alpes ao Atlântico, não parecem se incomodar e aprovaram restrições semelhantes em cerca de 40 pequenas cidades.

Enquanto isso, os cidadãos de Langouët enfeitaram a rua principal da pacata aldeia com cartazes dirigidos ao representante regional do governo nacional: "Madame prefeita, permita que nosso prefeito nos proteja!" Um cartaz manuscrito, no ponto em que os campos terminam e a aldeia começa, faz o mesmo pedido.

Quando Cueff foi convocado ao tribunal da capital regional, Rennes, algumas semanas atrás, mil pessoas estavam presentes para aplaudi-lo. Cueff, 64, um sujeito de olhar férreo e veterano das guerras ambientais que começou a militar quatro décadas atrás combatendo um reator nuclear, está acostumado a ser visto como exceção. Mas não desta vez.

Depois de um verão escaldante, que deixou os franceses assustados por conta de sucessivas ondas de calor, que sublinharam brutalmente a realidade da mudança no clima, os políticos que são vistos como capazes de agir ganharam prestígio. O Partido Verde fez grandes avanços na eleição para o Parlamento Europeu no trimestre passado, os ambientalistas estão em ascensão, e os políticos tradicionais começam a se curvar.

A lição não escapou ao presidente Emmanuel Macron, que recentemente declarou que "eu mudei", sobre as questões ecológicas.

Ele fez questão de destacar novas iniciativas ecológicas, comprando briga como presidente do Brasil quanto às queimadas na Amazônia, convocando um conselho de cidadãos para pedir recomendações sobre a mudança no clima, rejeitando um tratado comercial com a América Latina pesadamente criticado por motivos ambientais, e insistindo em que todos os membros de seu gabinete se concentrem no meio ambiente, e não só o ministro de "transição ecológica e solidariedade".

Com a aproximação de eleições municipais importantes no ano que vem e os verdes se beneficiando de apoio sólido nas grandes cidades francesas, Macron está de olho nas pesquisas. O principal especialista francês em pesquisas de opinião, Jerôme Fourquet, em artigo para o jornal Le Figaro, recentemente descreveu o ambientalismo ascendente como talvez a "nova matriz" subjacente da identidade cultural do país, tomando o lugar ocupado no passado pelo catolicismo.

O presidente chegou a expressar apoio cauteloso ao prefeito da Bretanha, que se tornou famoso, dizendo, sobre Cueff, que "apoio as intenções dele mas não posso concordar com o desrespeito à lei", ainda que "os motivos do prefeito fossem bons".

Cueff recebeu o comentário com sarcasmo. "Na política, o que conta não são as intenções, mas a prática", ele disse.

Como em outras regiões rurais da França, as plantações de milho e trigo que cercam a aldeia chegam até as porta das das casas dos moradores - e o mesmo se aplica a qualquer produto químico aplicado às plantações.

Os agricultores que cuidam de seus campos só podem aplicar pesticidas caso a velocidade do vento seja inferior a 10 km/h. Mas estamos falando da Bretanha, uma península que se projeta ao Atlântico e onde o vento sopra forte vindo do oceano.

O prefeito dedicou boa parte de sua carreira a tentar colocar em prática o que define como "ecologia da ação, não da retórica". Em 2003, ele se tornou o primeiro prefeito da Bretanha a instalar painéis solares nos edifícios públicos; os banheiros das escolas usam água de chuva reciclada.

Em 18 de maio, Cueff proibiu o uso de agrotóxicos a menos de 135 metros de qualquer moradia, o que impossibilita seu uso em boa parte da aldeia. Alguns dos agricultores ficaram furiosos, o poderoso sindicato dos produtores rurais se opôs ferozmente e sua presidente nacional, Christiane Lambert, zombou de Cueff no rádio, questionando: "Por que não proibir também os carros?"

No final de agosto, um juiz derrubou a ordem municipal do prefeito, depois que o governo nacional argumentou contra ela, afirmando que o prefeito "não tinha competência" para tal decisão.

"Tínhamos de criar um choque elétrico', disse Cueff. "Para notificar os agricultores e forçá-los a mudar".

Nos Estados Unidos, júris concederam enormes indenizações em processos contra a Monsanto abertos por pessoas que afirmam que o popular herbicida RoundUp, que ela produz, lhes havia causado câncer. Há milhares de processos semelhantes aguardando julgamento.

Testes conduzidos com moradores de Langouët mostraram que os níveis de glifosato - um dos herbicidas mais usados e o principal ingrediente do RoundUp - em sua urina eram 30 vezes superiores ao limite recomendado. E era especialmente alto nas crianças.

"Os pais ficaram traumatizados", disse Cueff.

"Ficamos realmente chocados", disse Hélène Heuré, a bibliotecária da aldeia, que tem dois filhos estudando na escola primária local. O nível de glifosato no organismo de Heuré era nove vezes superior ao limite.

"É claro que isso é assustador", ela disse. "E o prefeito disse que tentaria encontrar uma solução. Temos de questionar esse tipo de agricultura".

Os sentimentos da meia dúzia de agricultores, em sua maioria pecuaristas, que praticam a agricultura que Cueff define como "convencional" continuam feridos.

"Isso é uma catástrofe", disse Dominique Hamon, em pé ao lado de seu caminhão de leite na entrada da aldeia.

"Nós trabalhamos aqui para alimentar as pessoas, e agora querem nos retratar como perigosos. Não temos mais liberdade para fazer nosso trabalho", disse Hamon, acrescentando que deixaria o negócio no final do ano."Ele pelo menos poderia ter pedido nossa opinião".

Mas Cueff diz não compreender por que o governo nacional por um lado proibiu os governos municipais de usarem glifosato, em 2017, e por outro continua a permitir seu uso em fazendas localizadas bem ao lado das pequenas cidades.

"Essa é uma mensagem contraditória", ele disse. "Aqui em Langouët não temos posições contraditórias".

É essa lógica implacável, alimentada pela sombra do medo ecológico que pende sobre a França, que vem governando as decisões dos colegas de Cueff em outras cidades pequenas.

"É evidente que existe um problema. Quer o produto seja tóxico, quer não. E por isso decidimos nos antecipar", disse Bertrand Astic, prefeito da aldeia de Boussières, perto da fronteira com a Suíça, em entrevista por telefone. "Assumi a responsabilidade por proteger meus cidadãos".

Astic proibiu o uso do glifosato  e ele também está sendo combatido pelo governo do departamento em que fica sua aldeia.

"Nós prefeitos rurais estamos diante de um declínio real em nosso meio ambiente", ele disse. "As árvores estão morrendo. A população de insetos está em queda livre. Olhe as colinas ao redor e verá grandes áreas marrons. Tivemos três secas em seguida. A mudança do clima está acontecendo diante dos nossos olhos".

Na Bretanha, Cueff confia em que o peso palpável das circunstâncias - o calor assombroso do verão recente - tenha colocado a opinião pública de seu lado.

"Há 20 anos, estávamos um pouco sozinhos", ele disse. "Achavam que estávamos exagerando. Hoje é o oposto. As pessoas me procuram para perguntar se há algo mais que possam fazer".

Nos apartamentos aquecidos por energia solar cuja construção ele determinou, as contas de aquecimento são de cerca de US$ 180 por ano. "As pessoas dizem que, se isso é ecologia, não é nada mau", disse o prefeito.

"O fato é que as grandes ideias ecológicas criam ansiedade. E se você vive com essa lógica, fica deprimido", disse Cueff. "Mas estamos aqui demonstrando que existem soluções".

Tradução de Paulo Migliacci

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.