Rússia ratifica Acordo de Paris e 74 países elevam suas metas

Cúpula da ONU busca planos mais ambiciosos para conter aquecimento global

Ana Carolina Amaral
Nova York

Chefes de estado de 63 países anunciaram no plenário da ONU nesta segunda-feira (23), durante a cúpula do clima da ONU, planos para aumentar a ambição das suas metas climáticas, que são determinadas por cada país no Acordo de Paris. 

Entre os novos compromissos anunciados está a ratificação do Acordo de Paris pela Rússia. Um ato assinado pelo primeiro-ministro Dmitri Medvedev passa a dar força de lei nacional aos compromissos assumidos pelo país na assinatura do acordo. 

O anúncio esclarece a decisão da ONU de convidar a Rússia para discursar na cúpula. A escolha havia sido questionada nos últimos dias, já que o país ainda não havia se comprometido completamente com o acordo climático. 

Secretário-geral da ONU, Antonio Guterres, discursa na cúpula do clima da ONU
Secretário-geral da ONU, Antonio Guterres, discursa na cúpula do clima da ONU - Lucas Jackson/Reuters

O critério anunciado pela ONU para convidar países a falar na cúpula foi o de comprometimento com metas mais ambiciosas. Por conta disso, países como Brasil, Japão e Austrália não foram incluídos na lista de oradores

“Apenas as metas mais audaciosas terão espaço no palco”, disse o secretário-geral da ONU, Antonio Guterres, à imprensa. O ministro do Meio Ambiente do Brasil, Ricardo Salles, assistiu aos discursos da cúpula pela manhã. 

No domingo (22), as Ilhas Marshall e mais 14 países anunciaram um compromisso de adiantar para 2020 o anúncio de metas mais ambiciosas. A revisão é prevista para 2023 pelo calendário do Acordo de Paris. 

O grupo liderado pelas Ilhas Marshall e mais cinco países —Áustria, Chile, Itália, Japão e Timor-Leste— comprometeram-se a zerar as emissões de gases-estufa até 2050. 

O objetivo garantiria o aquecimento da média de temperatura global próximo dos 2ºC, limite seguro para evitar boa parte das consequências mais catastróficas, segundo relatório do painel de cientistas IPCC (Painel Intergovernamental de Mudanças Climáticas, na sigla em inglês). 

Na sexta-feira (20), a Alemanha já havia anunciado que pretende se tornar carbono zero até 2050. 

Outra aliança de ambição climática reuniu 59 países, incluindo França, Reino Unido, Suécia, Finlândia, Costa Rica e Argentina, também prometeu adiantar para 2020 o aumento da ambição dos seus planos.

A convocação de Guterres buscou encorajar os líderes mundiais a adiantar o processo de revisão das metas de redução de emissão de gases de efeito estufa, já que os compromissos assumidos na assinatura do Acordo de Paris, em 2015, não são suficientes para conter as consequências mais desastrosas do aquecimento global, como eventos climáticos extremos e inundação de países-ilha. 

Vetados do palco, Brasil e Japão foram criticados nos bastidores por não anunciarem a intenção de elevar suas metas climáticas. O Japão é cobrado por manter investimentos em carvão, enquanto o Brasil é visto com suspeita por conta da crise de queimadas na Amazônia e da resposta do governo.

Amazônia, aliás, foi o tema de diversos eventos nos últimos dias em Nova York.

Ao longo do fim de semana, pelo menos quatro agendas sobre a Amazônia reuniram cientistas, empresários, ativistas de direitos humanos, ambientalistas e fundações internacionais que financiam trabalhos de conservação do bioma. 

Empresas se comprometeram com uma “Amazônia possível” e pretendiam preparar uma lista de compromissos para ser anunciada na COP-25 do Clima, que acontece no Chile, em dezembro. A conferência aconteceria no Brasil, mas foi rejeitada pelo governo Bolsonaro.

Convidado a discursar na cúpula do clima, o bilionário e filantropo Bill Gates anunciou que destinará, junto ao Banco Mundial, US$ 791 milhões para apoiar a adaptação de pequenos agricultores às mudanças climáticas.

Já um encontro de cientistas, liderado pelo economista americano Jeffrey Sachs e pelo climatologista brasileiro Carlos Nobre, formou um painel de cientistas pela Amazônia, com a intenção de publicar até junho de 2020 um relatório de compilação do conhecimento científico já existente sobre o bioma. 

O objetivo é dar base científica para a formulação de políticas públicas.


Compromissos sob o Acordo de Paris

China
Está comprometida em reduzir emissões de CO2 até 2030. Pequim estabeleceu uma meta de que 20% de seu consumo venha de energias não fósseis (renováveis e nuclear), objetivo que parece mais distante

Estados Unidos
Compromissos datam da presidência de Barack Obama: redução das emissões dos gases-estufa de 26% para 28% até 2025, em comparação com 2005. Em 2017, Donald Trump anunciou a intenção de deixar o acordo (efetiva a partir de 2020) e comprometeu os pilares do plano climático de Obama, principalmente sobre usinas de carvão e indústria automobilística

União Europeia
Está comprometida com redução de 40% até 2030, em comparação com 1990. A Comissão Europeia prevê que o objetivo seja superado, mas deseja que seus Estados-membros sejam mais ambiciosos: a neutralidade climática em 2050. Consenso ainda não existe, e as negociações continuam

Índia
Quarta maior emissora do mundo no início da década, prometeu reduzir as emissões entre 33% e 35% até 2030, em comparação com 2005. O país, que investe pesado em energia solar, mas ainda depende do carvão, está no caminho certo para seu objetivo, além de ter outro compromisso: fixar energia de fontes não fósseis em 40% até 2030

Cada país é livre para definir seus objetivos e ano de referência. Mesmo que todos os objetivos sejam alcançados, não será suficiente para conter o aquecimento global “bem abaixo dos 2°C em comparação aos níveis pré-industriais”, conforme estipulado no acordo de 2015; os compromissos levariam ao aumento de cerca de 3°C

A jornalista viajou a convite da Anistia Internacional e do Instituto Clima e Sociedade (ICS)

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.