Greenpeace derrama óleo no Palácio do Planalto em ato contra manchas de petróleo no Nordeste

Mesmo pacífico, ato terminou com 19 ativistas detidos na manhã desta quarta-feira (23)

Dhiego Maia
São Paulo

Integrantes da ONG Greenpeace fizeram, na manhã desta quarta-feira (23), um protesto em frente ao Palácio do Planalto, em Brasília, contra as manchas de óleo que já chegaram ao menos 200 pontos do litoral do Nordeste. 

Clique aqui e veja quais praias foram afetadas

Os manifestantes simularam um derramamento de petróleo no calçadão do palácio, onde o presidente Jair Bolsonaro (PSL) despacha. Ainda que o protesto tenha sido pacífico, 19 ativistas foram detidos no gramado em frente ao Congresso Nacional e levados ao 5º DP da capital federal para averiguação. 

Após algumas horas, foram liberados. Segundo a ONG, a polícia não divulgou por que o grupo foi detido.

"No final da manifestação, negociamos a nossa saída. Saímos do local do protesto em fila indiana. Quando o grupo já estava indo embora, acabou sendo detido pela Polícia Militar", disse Tica Minami, diretora de Campanhas do Greenpeace Brasil. Ela afirma que os ativistas não resistiram à abordagem da Polícia Militar.

Os ativistas montaram instalações no calçadão do palácio que lembravam tanto os incêndios recentes que destruíram a Amazônia como o vazamento de óleo que vem se alastrando pela costa brasileira.

Para formar as poças de petróleo, os ativistas despejaram no chão um líquido feito com uma mistura de amido de milho, farinha de tapioca, óleo de amêndoas, água e corante. Segundo a ONG, a substância pode ser facilmente retirada com água.

O presidente interino, Hamilton Mourão, criticou a atitude dos manifestantes. "Vou convidar o Greenpeace para recolher óleo lá em vez de jogar óleo aqui, pô", afirmou em tom de brincadeira.

Ele disse compreender os protestos como parte da democracia, mas afirmou que eles deveriam ser feitos "sem fechar o trânsito". "A única coisa que eu acho é que você poderia fazer é sem bloquear o trânsito, para não impedir o ir e vir das pessoas", disse.

Em seu portal, a ONG disse que o ato chamou atenção para a lentidão do governo federal em resolver o problema, uma reflexo “do desmonte ambiental promovido pelo governo e que mantém o Brasil no centro das atenções de descasos com o meio ambiente”.

"Em vez de combater e liderar o desastre ambiental, o governo sai em tour pela Ásia", afirmou Minami em referência à viagem de Bolsonaro ao Japão.

Desde o final de agosto, manchas de petróleo têm afetado os animais marinhos, as populações que vivem no litoral, a pesca e o turismo. Ao menos 200 pontos de 77 municípios em nove estados do Nordeste foram atingidos pelas manchas de óleo.

Nesta terça (22), as manchas chegaram às praias do Morro de São Paulo, o terceiro maior destino turístico da Bahia. No último fim de semana, a poluição também foi identificada em Itacaré e Ilhéus, também na Bahia, mas em quantidade pequena.

A ONG também criticou a gestão ambiental do ministro Ricardo Salles que “tenta mascarar a sua inação desviando a atenção do problema e jogando a responsabilidade para a população e para as organizações não governamentais”.

Salles, por meio de postagem numa rede social, chamou os ativistas de ecoterroristas. "Não bastasse não ajudar na limpeza do petróleo venezuelano nas praias do Nordeste, os ecoterroristas ainda depredam patrimônio público", escreveu.

O próprio ministro entrou no centro de uma polêmica com o Greenpeace nesta segunda (21) ao rebater as críticas feitas pela entidade sobre as ações do governo para resolver o problema ambiental.

Salles ironizou um vídeo da ONG em que um porta-voz da Greenpeace responde à pergunta “Por que o Greenpeace não está nos locais atingidos ajudando na limpeza?”. “O Greenpeace ‘explicou’ porque não pode ajudar a limpar as praias do Nordeste... ahh tá…(sic)”, escreveu o ministro.

O vídeo utilizado pelo ministro para criticar a suposta ausência de voluntários da ONG em grupos de limpeza de praias do Nordeste foi editado e parte foi retirada. O vídeo completo tem cerca de três minutos, dos quais mais da metade não aparece na montagem compartilhada pelo ministro.

Na versão original, publicada na sexta-feira (18), o porta-voz do Greenpeace explica que há voluntários trabalhando junto com instituições governamentais para limpar as praias afetadas. Além disso, a ONG também cita voluntários no Maranhão e Ceará que estariam colhendo depoimentos de moradores e registrando em foto e vídeo os locais afetados.

A deputada federal Sâmia Bomfim (PSOL-SP) também escreveu ao ministro no Twitter. Ela disse que Salles não tem cumprido suas obrigações e estaria tentando “botar a culpa nos outros”. Salles respondeu à deputada: “Vc é que não tem vergonha. Mas deveria ter, e muita, pois o petróleo que está atingindo o Nordeste e o Brasil, é venezuelano, cujo governo ditatorial comunista vocês apoiam (sic).”

Na última sexta (18), o MPF (Ministério Público Federal) entrou com uma ação contra a União por omissão no desastre das manchas de óleo no Nordeste. A Procuradoria pedia que, em 24 horas, fosse colocado em ação o Plano Nacional de Contingência para Incidentes de Poluição por Óleo em Água. 

Segundo o MPF, trata-se do maior desastre ambiental da história no litoral brasileiro em termos de extensão. No sábado (19), a Folha revelou que o governo Bolsonaro extinguiu, em abril, dois comitês que integravam o plano de ação de incidentes com óleo.

EMERGÊNCIA AMBIENTAL

O presidente interino, Hamilton Mourão, afirmou que o governo analisa a possibilidade de declarar estado de emergência ambiental no Nordeste para ajudar na limpeza e na contenção das manchas de óleo. 

"A questão da emergência ambiental nós vamos analisar dentro da área jurídica e, uma vez que seja viável, vou conversar com o presidente Bolsonaro e se for o caso se toma uma decisão", disse ele, nesta terça (22), aos jornalistas. 

Ele afirmou ainda que a decisão poderia ser tomada a distância por Bolsonaro, ainda durante viagem à Ásia e ao Oriente Médio.

Ao menos 5.000 militares da 10ª Brigada de Infantaria Motorizada, sediada no Recife, participam das ações desenvolvidas para minimizar a poluição ocasionada pelas manchas de petróleo. Voluntários e moradores das regiões afetadas também atuam na remoção do óleo.

Colaborou Angela Boldrini, de Brasília

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.