Mourão anuncia reforço do Exército para conter e limpar manchas de óleo

Já foram atingidos 200 locais de pelo menos 77 municípios em nove estados

Brasília

O presidente interino, Hamilton Mourão, afirmou que o Exército reforçará, a partir desta segunda-feira (21), a operação de contenção e limpeza das manchas de petróleo nas praias do Nordeste

"Hoje o Exército está colocando uma brigada, a 10ª Brigada, que é sediada em Recife e tem entre 4.000 e 5.000 homens, como reforço, fora os equipamentos que estão sendo distribuídos à Defesa Civil dos estados e municípios", afirmou Mourão a jornalistas depois de reunião no Ministério da Defesa sobre o vazamento. Ele disse não saber quais equipamentos serão disponibilizados. 

A 10ª Brigada de Infantaria Motorizada deve atuar na limpeza das praias em toda a região atingida pelo óleo. 

Segundo a Defesa, a retirada do óleo estava sendo realizada pela Marinha e a Aeronáutica. Essa será a primeira Brigada do Exército a ser deslocada para atuar no caso. 

Mourão negou que haja omissão por parte do governo federal e disse que todos os planos de controle foram postos em ação.

"Todas as medidas estão sendo tomadas, e nós acreditamos que em mais algum tempo vai cessar essa chegada de óleo até as nossas praias", disse. 

Ao mesmo tempo, o vice-presidente também afirmou que não tem expectativa de quando o óleo parará de chegar às praias brasileiras. "Não temos. Esse óleo que chegou agora em Pernambuco é uma segunda vaga de assalto. Já houve a primeira vaga de assalto. Essa pode ter ficado para trás na hora que foi lançado no mar", disse.

Questionado, Mourão afirmou que a extinção dos comitês que integravam o plano de contingência de incidentes como o que afeta o Nordeste não atrapalhou o combate às manchas.

"Acho que o comitê aí ele tinha mais uma missão de supervisão, mas ficou muito bem colocado porque quando você vai olhar no plano a responsabilidade de coordenação das operações num acidente em alto mar é da Marinha", afirmou. 

A Folha revelou no sábado (19), que dois comitês que integravam o Plano Nacional de Contingência para Incidentes de Poluição por Óleo em Água (PNC), instituído em 2013, foram desmobilizados pelo governo. 

Segundo fontes ouvidas pela Folha no Ministério do Meio Ambiente, no Ibama e em ONGs, a extinção dos conselhos pode ser parte da explicação para a demora e a desorganização do governo no combate às manchas de óleo.

Segundo o Ibama, 200 locais de pelo menos 77 municípios em nove estados já foram atingidos pelas manchas de óleo. 

Na terça-feira (22) o ministro da Defesa, Fernando Azevedo, viajará para a região para conversar com governadores, segundo Mourão. Nesta segunda, o ministro do Desenvolvimento Regional, Gustavo Canuto, se encontrará com o governador da Bahia, Rui Costa (PT).

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.