Navio da Marinha encontra barril de óleo na costa do Rio Grande do Norte

Com símbolo da Shell, embalagem é parecida com outras já recolhidas em praias da região

Nicola Pamplona
Rio de Janeiro

A Marinha informou nesta quinta (17) ter encontrado um tambor com 200 litros de óleo na costa do Rio Grande do Norte, a 7,4 quilômetros de Natal. A embalagem, que tem um símbolo da petroleira Shell, é semelhante a outras encontradas em praias atingidas pelo óleo no Nordeste.

De acordo com a Marinha, o barril será usado nas investigações sobre a origem do óleo que já atinge 187 praias da região. Ele estava fechado e com líquido em seu interior. Amostra do conteúdo será levada para análise no Instituto de Estudos do Mar Almirante Paulo Moreira. 

No dia 27 de setembro, outros dois tambores parecidos foram encontrados em praias da região metropolitana de Aracaju. Segundo a Shell, eles são embalagens de lubrificantes para navios, não produzidos no Brasil. A empresa ainda não avaliou o terceiro barril.

Amostras do conteúdo dos dois primeiros já foram analisadas pela Marinha e pela Universidade Federal de Sergipe. Enquanto esta viu semelhanças com o óleo encontrado nas praias, aquela disse não haver relação.

Responsável pelas análises na universidade, o pesquisador Alberto Wisniewski disse que os barris continham petróleo cru e não lubrificantes, conforme indicado pelo fabricante. Por isso, ele descarta que o óleo seja da Shell

Em nota, a petroleira diz diz que não transporta petróleo cru em barris e que a diferença de tempo em relação à data da embalagem (17 de fevereiro) e o início das manchas no Nordeste aponta para possível reutilização do tambor.

O aparecimento dos tambores pode ser uma pista na busca pela origem do óleo, que ainda não é conhecida, diz. "Podem ajudar a levar ao navio que vazou o óleo, se este for o caso", afirmou ele. Fontes da área ambiental, porém, dizem que ainda não há indícios de relação entre os dois incidentes. 

Até agora, com base em laudos da Petrobras e da Universidade Federal da Bahia, o governo afirma apenas que o petróleo é de origem venezuelana. 

"Este óleo é venezuelano. O DNA é venezuelano. É uma certeza, é uma afirmação, não uma especulação", disse em audiência no Senado nesta quinta o presidente do Ibama (Instituto Brasileiro de Meio Ambiente de Recursos Naturais Renováveis), Eduardo Bim.

"Significa que a Venezuela é responsável? Não, isso é outra questão", completou. A principal suspeita, segundo ele, é que o óleo tenha sido derramado por um navio em alto-mar. E, como não houve alertas de vazamento ou acidentes, disse, não há dúvidas de que foi criminoso.

A hipótese mais provável, segundo Bim, é que o vazamento tenha ocorrido durante uma operação de transferência de petróleo entre navios, conhecida como ship-to-ship (navio a navio). É um tipo de operação comum, feita principalmente para transferir carga de navios de menor porte para grandes petroleiros que realizam viagens de longo curso.

No Brasil, é praticada em águas abrigadas, como no Porto do Açu e na Baía de Angra, e em áreas de mar aberto no Espírito Santo e na Bahia. Simulações feitas com base nas correntes marítimas, porém, indicam que o óleo foi derramado em algum ponto no alto mar em frente à região Nordeste.

O oceanógrafo Carlos Teixeira, do Instituto de Ciências do Mar (Labomar), da Universidade Federal do Ceara estima que tenha sido entre 500 e 1.000 quilômetros da costa dos estados de Pernambuco e Paraíba.

Em estudo divulgado nesta quinta, os pesquisadores Luiz Landau e Luiz Paulo Assada, da Coppe/UFRJ, falam em uma área entre 600 e 700 quilômetros da costa em frente à divisa entre Sergipe e Alagoas.

Em operações ship-to-ship, uma grande mangueira interliga tanques das duas embarcações, transferindo a carga de uma para a outra. Eventuais rompimentos têm potencial para despejar grandes quantidades de óleo até o interrompimento total do fluxo.

Especialistas em transporte de petróleo ouvidos pela Folha suspeitam de operações irregulares em águas internacionais, já que não há notícias de alertas de acidentes nem de naufrágios. Uma das hipóteses levantadas é a participação de "navios fantasmas", que desligam os sistemas de localização para burlar fiscalização.

A Venezuela é acusada de usar o expediente para driblar o embargo dos Estados Unidos ao seu comércio de petróleo. A revista especializada Lloyd's List Intelligence já identificou este tipo de operação na costa da Malásia, onde o petróleo venezuelano seria transferido a outros navios para entrega na China. 

As investigações estão sendo coordenadas pela Marinha, que até agora disse apenas que notificou 30 navios petroleiros que passaram pela região antes de o óleo começar a aparecer nas praias. Questionada pela Folha, a Marinha não informou ainda se alguma delas já respondeu.

As investigações sofrem com uma dificuldade adicional: até o momento, não foi possível identificar as manchas em imagens de satélites, o que poderia indicar o trajeto do óleo até as praias do Nordeste. Segundo especialistas, o produto esta viajando "a meia água", isto é, abaixo da superfície.

Bim disse no Senado que o mistério sobre a origem atrapalha também os trabalhos de contenção dos danos. "Saber de antemão onde aparecerão [as manchas] não é tão fácil quanto parece", afirmou. "Enquanto não soubermos o que aconteceu, vai ficar difícil prever quando o vazamento vai parar."

​Viu manchas de óleo no litoral do Nordeste? Mande seu relato para a Folha ​ ​

Com a Reuters

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.