Veja quais praias foram atingidas pelas manchas de óleo no Nordeste

Até o momento, 546 locais foram afetados; 98 animais já foram encontrados mortos

São Paulo

Manchas de óleo começaram a aparecer em praias do Nordeste no fim de agosto. Uma analise do material encontrado feita pela Petrobras e pela Marinha constatou que o produto é petróleo e que não é brasileiro

Em 22 de outubro, as manchas chegaram às praias do Morro de São Paulo, o terceiro maior destino turístico da Bahia. Neste último fim de semana, manchas foram identificadas em Itacaré e Ilhéus, também na Bahia, mas em quantidade pequena.

São ao menos 546 locais de pelo menos 112 municípios em dez estados foram atingidos pelas manchas de óleo. (Veja a lista abaixo).

Pequenas pelotas de óleo foram identificadas em pelo menos quatro praias de Salvador desde a madrugada de sexta-feira (11), quando, pela primeira vez desde que o Ibama começou a registrar o surgimento de manchas em praias do litoral nordestino, em 2 de setembro, o óleo foi encontrado na capital baiana. Foram identificadas manchas nas praias de Stella Maris, Flamengo, Piatã e Jaguaribe. 

A prefeitura de Salvador, em parceria com o Ibama (Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis), montou na ocasião um esquema de contenção e retirada do óleo. Desde a noite de quinta-feira (10), equipes da secretaria de Manutenção e da Limpurb, empresa municipal de coleta de resíduos sólidos, ficaram de prontidão nas praias do norte de Salvador. 

A Folha apurou que análises feitas pela Petrobras apontaram a Venezuela como provável origem do petróleo. Segundo o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, mais de 100 toneladas de borra de petróleo foram recolhidas no litoral nordestino desde o início de setembro. Salles também disse na quarta (9) que "muito provavelmente" o material é de origem venezuelana.

Em resposta ao ministro brasileiro, o governo da Venezuela negou, em comunicado oficial, que o país seja o responsável. “Consideramos as declarações infundadas”, disse o comunicado, observando que as manchas estavam localizados a cerca de 6.650 quilômetros de sua infraestrutura de petróleo. “Não há evidências de vazamentos de petróleo nos campos de petróleo da Venezuela que possa ter causado danos ao ecossistema marinho de nosso vizinho.”

“A indicação de origem Venezuelana do óleo se baseia em análise técnica laboratorial da Petrobras. A hipótese aventada é que pode ter sido derramado a partir de navios que trafegaram ao longo da costa brasileira, e não necessariamente de campos do governo ditatorial venezuelano”, disse Salles à jornalista e colunista Mônica Bergamo.

Em decorrência do surgimento de manchas também na Bahia, na última quinta-feira (3), o presidente Jair Bolsonaro determinou que a Polícia Federal, o comando da Marinha e o Ministério do Meio Ambiente investiguem as causas e as responsabilidades do aparecimento das manchas.

Sobre os riscos para a saúde, a dermatologista Alessandra Romiti, coordenadora do Departamento de Cosmiatria da Sociedade Brasileira de Dermatologia, disse à Folha que o contato de banhistas e pescadores com o óleo pode causar irritações na pele e alergias.

“Os dois principais riscos para a pele são a reação alérgica, que pode gerar coceira e vermelhidão e a formação de acnes de oclusão, ou seja, acnes geradas pelo excesso de óleo na pele, similar a quando se passa produtos oleosos demais como os protetores solares.”

 
 

A fauna também foi afetada em oito estados. Até o momento, 98 ​animais foram encontrados mortos.

Além disso, 2.190 filhotes de tartarugas marinhas foram capturados preventivamente na Bahia. Já no Sergipe, fora capturados preventivamente 624 Filhotes de tartarugas marinhas.

Viu manchas de óleo no litoral do Nordeste? Mande seu relato para a Folha

Classificação das praias atingidas segundo ministério

Em limpeza
Dezenove praias estavam em processo de limpeza até a última segunda (14). Não há mais dados disponíveis sobre locais em limpeza na atualização mais recente do Ibama

Não observado
Os dados atualizados classificam 124 locais em que não foram observados vestígios do óleo, o que quer dizer que a limpeza se deu de forma natural

Oleadas com manchas
Dezoito locais estão classificados como oleados com manchas, o que indica que a porcentagem da cobertura de óleo no local analisado varia de 11% a 50%. 

Oleadas com vestígios/esparsos
A lista indica que 179 locais contém óleo esparso e vestígios de óleo, com cobertura que pode ser inferior a 1%, chegando a, no máximo, 10%.

Fonte: Ministério do Meio Ambiente 

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.