Cientistas não assinam estudo sobre queimadas com medo de represálias do governo

Pesquisa mostra que, ao contrário do discurso do governo Bolsonaro, queimadas em 2019 superaram média dos últimos anos

São Paulo

Com receio de represálias, pesquisadores de instituições federais brasileiras decidiram não assinar um estudo recentemente publicado sobre o aumento das queimadas sob o governo Jair Bolsonaro.

“Alguns colaboradores recusaram a coautoria neste trabalho para manterem-se no anonimato. Lamentamos que isso fosse necessário e gostaríamos de agradecê-los por sua importante contribuição”, diz o estudo, em seus agradecimentos, publicado na revista científica Global Change Biology na sexta (15).

À Folha os autores que mantiveram o nome na pesquisa preferiram não identificar as instituições dos pesquisadores que optaram pelo anonimato.

Os autores da pesquisa pretendiam trazer esclarecimentos sobre os diferentes tipos de queimadas que ocorrem na Amazônia. Segundo eles, conforme cresceu a atenção do governo e das pessoas para o assunto em agosto, aumentou também a confusão quanto
 ao tema, como a divulgação de fotos atribuídas incorretamente ao bioma e a publicação de dados imprecisos.

Assim que o trabalho começou, os pesquisadores perceberam que a pesquisa ia de encontro ao discurso do governo para aquele momento.

Membros do governo Bolsonaro inicialmente minimizaram as queimadas no país. Ernesto Araújo, ministro das Relações Exteriores, chegou a dizer, em uma reunião fechada com investidores e empresários em Washington, em setembro, que os satélites usados pelo Inpe (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais) não conseguiam distinguir "grandes incêndios" de "fogueiras de acampamento".

Em palestra na Câmara de Comércio dos EUA, Ernesto ainda distribuiu papéis com dados para supostamente respaldar seu discurso de que as queimadas na floresta estão na média dos índices registrados nos últimos 15 anos.

A pesquisa publicada na revista científica Global Change Biology mostra um cenário diferente do que o pregado pelo governo.

Segundo o estudo —que se baseou em dados do Inpe, um dos institutos que foi alvo de ataques de Bolsonaro e seus ministros—, o número de incêndios em agosto deste ano foi quase três vezes maior do que em 2018. Além disso, trata-se do valor mais alto desde 2010.

Os autores, com base em dados deste ano do Deter (sistema de detecção do desmatamento em tempo real), do Inpe, também afirmam que há fortes evidências sobre a relação do fogo com a alta do desmatamento. “O aumento acentuado de ambos os incêndios e os desmatamentos em 2019 refuta, portanto, a consideração de que agosto de 2019 foi um mês ‘normal’ na Amazônia brasileira”, diz o estudo. 

Membros do governo, como Ricardo Salles, ministro do Meio Ambiente, também associaram as queimadas a um clima mais seco no bioma, o que também é refutado pelo estudo em questão. 

Por fim, houve quem também atribuísse o fogo a limpezas de pasto para práticas agrícolas. O secretário especial de Assuntos Fundiários do governo Bolsonaro, Luiz Antônio Nabhan Garcia, por exemplo, atribuiu parte da culpa dos incêndios na Amazônia a povos indígenas que, segundo ele, teriam as queimadas como "prática" e "costume".

“O fogo faz parte do desmatamento”, diz Erika Berenguer, pesquisadora da Universidade Oxford e da Universidade de Lancaster, que optou por aparecer como uma das autoras do estudo. 

Segundo ela, o tipo de queimada documentada em agosto não poderia estar relacionado a outra atividade que não o desmate. “Eram plumas de fumaça gigantescas. Isso indica que não eram capim e meia dúzia de árvores queimando. Era muito matéria orgânica.”

O estudo faz essa diferenciação e mostra os diferentes tipos de fogo que acontecem na Amazônia, como o para manejo de pastagens e para agricultura, além dos incêndios acidentais descontrolados, que podem atingir tanto áreas agrícolas quanto a floresta.

Jos Barlow, também da Universidade de Lancaster e pesquisador da Universidade Federal de Lavras, diz que, como o estudo acaba por bater de frente com o discurso oficial do governo, alguns cientistas ficaram com medo.

“Há um clima de perseguição”, diz Berenguer. “Dados e evidências podem gerar um descontentamento no governo.”

A pesquisadora cita exemplos de servidores ambientais que foram remanejados de seus postos e o caso de Ricardo Galvão, ex-diretor do Inpe.

Após o presidente Bolsonaro questionar a veracidade dos dados produzidos pelo Inpe e a idoneidade do próprio Galvão, o ex-diretor defendeu a ciência produzida no instituto e respondeu aos ataques pessoais.

Poucas semanas depois, foi exonerado por Marcos Pontes, ministro da Ciência e Tecnologia.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.