Juiz do caso dos brigadistas é de família de madeireiros e já criticou ação de ONG

Alexandre Rizzi afirmou que nunca teve conflito com organizações não governamentais

Salvador

A família do juiz Alexandre Rizzi, que determinou a prisão de quatro brigadistas no balneário Alter do Chão, no Pará, já foi proprietária de duas madeireiras em Santarém (1.231 km de Belém) que tiveram conflitos com organizações não governamentais.

As empresas foram fundadas nos anos 1980 por Germano Clemente Rizzi e a Sirlei Carmen Sangalli Rizzi, pais do magistrado.  

Uma delas é a Indústria e Comércio de Madeiras Rizzi Ltda, que encerrou as atividades em 1998. A outra é a Germano C Rizzi, encerrada em 2008. As duas tinham sede em Santarém no mesmo endereço e o nome fantasia Maderizzi.

Apesar de não constar como sócio da empresa, Alexandre Rizzi e o seu irmão Rodrigo Rizzi atuaram como advogados de uma das madeireiras em um processo de execução fiscal movido pela União.

Um dos embates da madeireira com ONG ambiental aconteceu em outubro de 1994, quando cerca de 30 ativistas do Greenpeace realizaram um protesto que paralisou as atividades do porto de Santarém.

Eles invadiram um navio ucraniano que carregava 40 mil toneladas de madeira para exportação e protestaram o contra o corte ilegal de árvores.

Protesto do Greenpeace em Santarém (1994), criticado na época por Alexandre Rizzi, hoje juiz do caso dos brigadistas presos em Alter do Chão
Protesto do Greenpeace em Santarém (1994), criticado na época por Alexandre Rizzi, hoje juiz do caso dos brigadistas presos em Alter do Chão - © Greenpeace / Olavo Rufino

Na época, Alexandre Rizzi, que ainda não era juiz, concedeu entrevista à Folha como representante da empresa Maderizzi e criticou a ação dos ambientalistas.

“Toda essa madeira é fiscalizada rigorosamente pela Receita Federal, essa manifestação é ridícula”, afirmou Rizzi em 1994.

Questionado nesta sexta-feira (29) sobre as declarações e sobre a ligação de sua família com madeireiras, o juiz Alexandre Rizzi afirmou, em nota, que nunca teve conflito com nenhuma organização não governamental.

Também disse que as declarações concedidas à Folha em 1994, quando tinha 20 anos, refletem apenas a sua opinião à época acerca de um fato que presenciou — no caso, a manifestação do Greenpeace.

“No mais, continuarei firme e pronto para julgar quem quer que seja, independentemente de credo, ideologia ou partido político. Entretanto, eu sei que isso incomoda bastante”, afirmou Rizzi.

O magistrado ainda afirmou que não foi ele o juiz que autorizou “a interceptação telefônica que deu origem à investigação que tem causado tanto pavor”, pois estava de férias.

A operação Fogo do Sairé foi deflagrada na última terça-feira (26) pela Polícia Civil do Pará com autorização do juiz Alexandre Rizzi.

Ele determinou a prisão preventiva dos brigadistas Daniel Gutierrez Govino, João Victor Pereira Romano, Gustavo de Almeida Fernandes e Marcelo Aron Cwerner e o cumprimento de mandados de busca e apreensão nas ONGs Projeto Saúde & Alegria, Instituto Aquífero Alter do Chão e Brigada Alter do Chão.

Brigadistas de Alter do Chão (PA) que haviam sido presos na terça (26) são soltos na quinta (28)
Brigadistas de Alter do Chão (PA) que haviam sido presos na terça (26) foram soltos na quinta (28) - Divulgação

A operação investiga a origem dos incêndios que atingiram áreas de proteção ambiental em setembro deste ano, consumindo área equivalente a 1.600 campos de futebol. Segundo a polícia, uma investigação de dois meses apontou indícios de que ONGs atuaram como causadoras do incêndio.

O inquérito, contudo, é alvo de questionamentos por não conter evidências dos crimes nos depoimentos e interceptações telefônicas. Na quinta-feira (28), o governador do Pará, Helder Barbalho (MDB), determinou a substituição do delegado que comandava o inquérito.

A investigação da Polícia Civil do Pará ainda contrasta com a apuração do Ministério Público Federal, que informou que brigadistas e ONGs não estavam entre os suspeitos de terem causado incêndios.

Na verdade, a investigação da Procuradoria aponta como possíveis responsáveis o assédio de grileiros a áreas de proteção ambiental, a ocupação desordenada da região e a especulação imobiliária.

Os quatro brigadistas permaneceram dois dias presos no Centro de Triagem de Santarém e foram soltos nesta quinta-feira (28) após decisão do próprio juiz Alexandre Rizzi.

O magistrado argumentou que os investigados já foram ouvidos em sede administrativa e a autoridade policial não apresentou subsídios ou fatos novos que tornassem imprescindível a manutenção da prisão preventiva.

Também afirmou que as condições pessoais dos brigadistas são favoráveis, já que eles têm residência fixa e ocupação lícita.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.