Número de queimadas na Amazônia no mês de outubro é o menor desde 1998

Nos últimos meses, governo Bolsonaro usou as Forças Armadas no combate ao fogo

Phillippe Watanabe
São Paulo

Em outubro deste ano, a Amazônia registrou o menor número de queimadas para o mês desde o início do monitoramento, em 1998. O Programa Queimadas do Inpe (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais) registrou 7.855 focos de incêndio no bioma no mês passado.

Antes, outubro de 1998 liderava a lista com a menor taxa de queimadas, com 8.777 focos, seguido por 2011.

As queimadas na Amazônia já haviam tido queda em setembro.  Em agosto, foram registrados 30 mil focos de incêndio em todo o país e, em setembro, 19,9 mil.

A redução se deu após a crise dos incêndios na Amazônia em agosto, com ampla repercussão internacional. Como reação, o presidente Jair Bolsonaro assinou um decreto de GLO (Garantia da Lei e da Ordem) que autorizava uso das Forças Armadas para combater os incêndios. Outro decreto presidencial, de 29 de agosto, criou uma moratória de queimadas por dois meses.

Até aquele momento, o país apresentava o maior número de queimadas desde 2010

O fogo na Amazônia se concentrava principalmente em áreas privadas e florestas não destinadas —nas quais qualquer desmatamento e incêndio é ilegal. Normalmente, as queimadas são uma parte do processo de desmatamento —primeiro vem o desmate e depois a queima das áreas.

Já o desmatamento, ao contrário das queimadas, continua crescendo de modo acentuado. Os meses de junho, julho, agosto e setembro apresentaram, em comparação ao mesmo mês do ano anterior, aumento de 90%, 278%, 222% e 96% respectivamente.

Pouco antes da crise das queimadas, o aumento nas taxas de desmatamento na Amazônia também foram motivo de críticas internacionais. 

0Brigadistas combatem fogo em região vizinha à Reserva Extrativista Rio Preto Jacundá, no município de Ariquemes, no estado de Rondônia
Brigadistas combatem fogo em região vizinha à Reserva Extrativista Rio Preto Jacundá, no município de Ariquemes, no estado de Rondônia - Beethoven Delano/Folhapress

Em agosto, a crise como ápice o entrevero entre o presidente francês Emmanuel Macron e Bolsonaro. A França chegou a afirmar que Bolsonaro mentiu ao assumir compromissos em defesa do ambiente na cúpula do G20 (grupo das economias mais desenvolvidas). Por outro lado, o presidente brasileiro ofendeu em redes sociais Brigitte Macron, a primeira-dama francesa. 

Os dados que apontavam alta no desmatamento levaram o governo a atacar o Inpe, instituto responsável pelo monitoramento dos biomas. Os ataques públicos levaram à demissão, no início de agosto, de Ricardo Galvão, então presidente do instituto.

Erramos: o texto foi alterado

Diferentemente do publicado anteriormente, a queima é a parte final do processo de desmatamento, não a primeira ação

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.