Alemanha contesta declarações de Salles sobre avanços no Fundo Amazônia

Ministro havia falado em 'fase final' para restabelecimento do fundo e aprovação do país europeu

São Paulo e Madri

O ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, afirmou recentemente que o restabelecimento do Fundo Amazônia estava já na fase final. À Folha Salles disse, na COP-25 (Conferência do Clima da ONU), em Madri, que o Fundo Amazônia deve continuar e que "está tendo um entendimento com os países." Ao jornal O Globo, afirmou que a Alemanha, um dos países doadores do fundo, já havia concordado com as mudanças propostas.

A Alemanha, porém, negou as afirmações e qualquer proximidade de resolução do tema nesta sexta (6).

O ministro do Meio Ambiente Ricardo Salles durante a COP-25, em Madri, na Espanha
O ministro do Meio Ambiente Ricardo Salles durante a COP-25, em Madri, na Espanha - Susana Vera/Reuters

Em entrevista à revista Veja em 29 de novembro, Salles minimizou os recordes de desmatamento e queimadas no governo Bolsonaro e disse [a partir de 14:38 no vídeo]: "Essa semana já estamos na fase final da troca de minutas e documentos para o restabelecimento do fluxo de recursos para o Fundo Amazônia. Quer seja da Alemanha ou da Noruega [o outro país doador do fundo], e outros países que eventualmente queiram participar. Mas em novos padrões".

"Entregamos uma minuta aos doadores, que estão estudando a proposta. A Alemanha já topou. Falta a Noruega", disse Salles, essa semana, ao jornal O Globo. 

A Embaixada da Alemanha diz ter recebido com espanto as declarações de Salles sobre o Fundo Amazônia. "A Embaixada recebeu no início dessa semana, uma proposta formal do BNDES para reformular o Fundo Amazônia, autorizada, segundo o BNDES, pelo Ministro Salles. Esta proposta está em avaliação e a Alemanha não comentou o assunto até o momento com o lado brasileiro", diz a embaixada, em nota.

Não é a primeira vez que as declarações de Salles surpreendem os países doadores do bilionário e paralisado Fundo Amazônia

Em maio, Salles convocou uma coletiva de imprensa na qual afirmou, sem apresentar documentos ou maiores informações, que havia detectado irregularidades em contratos do Fundo Amazônia com ONGs. Na ocasião, o ministro disse que os países doadores do fundo, Noruega e Alemanha, estavam cientes de que o governo Bolsonaro queria fazer mudanças no fundo.

Os países, porém, afirmaram que não tinham sido informados do conteúdo da coletiva de imprensa ou da vontade do governo.

"Não recebemos nenhuma proposta das autoridades brasileiras para alterar a estrutura de governança ou os critérios de alocação de recursos do Fundo”, disse a Embaixada da Noruega. 

Os países também afirmaram estar satisfeitos com o formato do fundo.

A paralisação do Fundo Amazônia se concretizou em abril, quando Bolsonaro extinguiu uma série de conselhos, entre eles os que geriam o fundo. 

Salles, desde então, tenta mudar a composição do Cofa (Comitê Orientador do Fundo Amazônia). O ministro pretende reduzir os assentos do conselho e aumentar o poder de decisão do governo federal, uma ação semelhante ao que foi feito no Conama (Conselho Nacional do Meio Ambiente), em maio.

A jornalista Ana Carolina Amaral viajou a convite do Instituto Clima e Sociedade (ICS)

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.