Polícia do Pará indicia brigadistas de Alter do Chão

Acusados afirmam que acusação é baseada em ilações

Manaus

A Polícia Civil do Pará indiciou quatro brigadistas voluntários e um colaborador pelo fogo que destruiu parte de área de proteção ambiental em Alter do Chão, balneário do Pará. Os acusados dizem que o indiciamento “é fruto de ilegalidades e, infelizmente, indica direcionamento da investigação.”

O documento, obtido pelo site G1, é assinado pelo delegado Waldir Cardoso. Ele assumiu o inquérito por determinação do governador Helder Barbalho (MDB) em reação a críticas contra o delegado anterior. 

 

No indiciamento, Cardoso afirma que os indícios "demonstram a participação ativa dos referidos brigadistas nos eventos”. O motivo seria "disseminar registros fotográficos em âmbito nacional e internacional com a finalidade de promoção da tragédia e em benefício de auferirem vantagens financeiras através de vultosas doações em dinheiro, por parte de pessoas de boa fé de todo o globo.”

A investigação da Polícia Civil tem sido criticada por ambientalistas e contradiz apuração do Ministério Público Federal (MPF), que vincula o incêndio ao assédio de grileiros e à especulação imobiliária, sem mencionar os brigadistas.

No começo de dezembro, o MPF enviou à Justiça Estadual do Pará um pedido para que a investigação prosseguisse na esfera federal devido aos incêndios terem acontecido em área que pertence a União. O pedido foi assinado por 12 procuradores.

A reportagem da Folha solicitou uma cópia do indiciamento à Polícia Civil do Pará, mas não obteve nenhuma resposta até a conclusão deste texto. 

Foram indiciados os brigadistas Daniel Govino, João Victor Romano, Gustavo Fernandes e Marcelo Cwerner, que ficaram presos por dois dias no final de novembro. O quinto indiciado se chama Ronnis Blair, de acordo com o G1.

Em nota, os brigadistas criticaram o indiciamento: “Encerraram-se as investigações de maneira atropelada, sem a realização de perícia técnica, atualmente em curso na Policia Federal, para apurar em que circunstâncias efetivamente ocorreu o incêndio.
 
“Ignorou-se também pedido para que fossem ouvidas testemunhas indicadas pelos advogados dos brigadistas à autoridade policial há mais de duas semanas. Essa precipitação atenta contra a apuração correta dos fatos.”

"O indiciamento foi baseado em ilações extraídas de depoimentos meramente especulativos sem nenhuma prova atacando aqueles que dedicaram as suas vidas a combater incêndios voluntariamente na região amazônica”, conclui a nota.

O presidente Jair Bolsonaro, no entanto, elogiou a investigação da Polícia Civil. Durante os incêndios que atingiram parte da floresta amazônica neste ano, ele afirmou, sem apresentar provas, que as ONGs estavam por trás das queimadas.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.