Prêmio Nobel diz que ação do Brasil em conferência do clima foi vergonhosa

Em palestra em Bruxelas, William Moomaw afirmou também que só florestas maduras barram aquecimento global a curto prazo

Bruxelas

Preservar florestas maduras é a única forma de segurar o aquecimento global a curto prazo, defendeu o especialista em clima William Moomaw, autor principal de cinco relatórios do IPCC (painel da ONU sobre o clima, que ganhou o Prêmio Nobel da Paz em 2007, junto com o ex-vice-presidente americano Al Gore).

Em exposição para militares, políticos e diplomatas, entre outros, Moomaw afirmou que já é tarde para apenas zerar as emissões de gás carbônico. Mais que isso, é preciso retirar da atmosfera o excesso do poluente, e as florestas já crescidas (de 70 a 125 anos) são o veículo mais eficiente de fazer isso a curto prazo. Novas florestas também são importantes, mas levarão décadas para ter efeito.

Doutor em química pelo MIT e professor de política ambiental na Fletcher School, ele também fez diversas críticas ao governo brasileiro no evento, organizado pela Academia Diplomática de Bruxelas.

"O Brasil queria receber em dobro seus créditos de carbono. Mas a natureza não sequestra o gás carbônico em dobro", afirmou ele, ao comentar o fracasso da COP-25, conferência climática da ONU realizada em dezembro, em Madri.

William Moomaw e a ativista ambiental Greta Thunberg na COP25, em Madri, em dezembro de 2019
William Moomaw e a ativista ambiental Greta Thunberg na COP25, em Madri, em dezembro de 2019 - Sergio Perez/Reuters

O governo brasileiro, representado pelo ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, foi considerado um dos principais bloqueadores dos acordos, ao lado da Austrália.

Salles pleiteava que um país que vende créditos de carbono a outras nações por ter reduzido emissões de gás carbônico não precisaria descontar essa venda das métricas climáticas que precisa cumprir. Sem esse desconto, a redução seria contada duas vezes, tanto pelo vendedor quanto pelo comprador.

"Deu vergonha ver estes governos tentando ludibriar o sistema", afirmou Moomaw, que chamou de aberração diplomática a desistência do Brasil de sediar a COP 25 (a candidatura foi retirada em novembro de 2018, após a eleição de Bolsonaro).

O especialista criticou ainda o que chamou de fracasso brasileiro em preservar a Amazônia. "A Noruega doou US$ 1 bilhão para que o Brasil conservasse a floresta, mas os países falham. Nem acenar com dinheiro está adiantando", disse ele. O Fundo Amazônico, que concentrava doações norueguesas e alemãs, está paralisado desde que Bolsonaro extinguiu os conselhos que geriam os recursos.

"A Amazônia está dentro do território brasileiro e o país tem soberania para decidir o que fazer. Mas, por causa da escala da floresta e sua influência no mundo, é também responsabilidade do Brasil manejá-la sem destruir o bem-estar dos brasileiros e do mundo", disse ele à Folha, após o seminário.

Moomaw afirmou que o sistema financeiro —sejam os grandes bancos e fundos, sejam órgãos como o Banco Mudial  —tem os principais instrumentos de pressão contra políticas ineficientes, e deveriam inserir em suas decisões de investimento o risco ambiental. Ele foi um dos principais signatários de documento em que mais de 11 mil cientistas afirmaram que a Terra passa por emergência climática, divulgado em novembro de 2019. 

Sobre a preservação das florestas maduras (que ele chama de "proflorestamento"), uma das políticas sugeridas é que, em áreas privadas menores, os proprietários sejam pagos pelos "serviços ecossistêmicos" de armazenamento de carbono, promoção da biodiversidade e resiliência às mudanças climáticas.

"Precisamos compensar os proprietários privados de terras por deixarem suas florestas em pé."
Segundo Moomaw, que tem se dedicado a pesquisar e difundir soluções naturais para as mudanças climáticas, o gerenciamento correto de florestas e pastagens permitiria que elas sequestrassem da atmosfera o dobro de gás carbônico do que fazem hoje.
 

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.