Descrição de chapéu Coronavírus

Com Caetano, Gil e Sting, live internacional arrecada recursos para indígenas da Amazônia

Festival SOS Rainforest será transmitido a partir das 16h deste domingo

Manaus

Neste domingo (21), a partir das 16h, artistas do mundo inteiro se unem à luta dos povos indígenas da Amazônia brasileira contra a pandemia de Covid-19.

O festival SOS Rainforest Live vai reunir, além de cantores como Anitta, Caetano Veloso, Gilberto Gil e Sting, fundador da Rainforest Foundation, líderes indígenas, cientistas, especialistas e defensores do meio ambiente, como Sônia Guajajara e Dário Kopenawa Yanomami. O evento será transmitido ao vivo pelo site SOSrainforestlive.org e no YouTube e TikTok.

A cantora paraense Gaby Amarantos, defensora da floresta amazônica, está entre as atrações e deve se apresentar com outro artista amazônico, Jaloo. Para ela, o SOS Rainforest Live é uma oportunidade de chamar a atenção para o que está acontecendo na Amazônia, em um momento em que a Covid-19 e os protestos antirracismo ganham destaque.

“Tem muita coisa acontecendo no planeta, e a gente precisa fazer com que o mundo preste atenção na Amazônia. A situação da devastação da floresta já vinha de mal a pior e, com tudo que vem acontecendo, as pessoas têm esquecido dessa luta. Esse evento é extremamente importante porque vai reunir artistas da Amazônia, brasileiros e internacionais, e, juntos, vamos lembrar para o planeta a importância da preservação da Amazônia, da proteção dos povos indígenas e ribeirinhos, porque eles são os guardiões da floresta.”

Na última quinta-feira (18) o total de casos confirmados chegou a 3.662 entre indígenas dos estados da Amazônia Legal, de acordo com levantamento da Coiab (Coordenação das Organizações Indígenas da Amazônia Brasileira). Foram registrados 249 mortes no total.

Todo o lucro do evento será destinado para ações de combate à Covid-19 na Amazônia e para o suporte jurídico a comunidades indígenas para a defesa de seus territórios.

“Um dos principais motores das mudanças climáticas, do aquecimento global, da extinção de espécies e do tempo louco é a destruição das florestas tropicais do mundo. Agora é mais urgente. Se salvarmos a floresta, podemos salvar o planeta”, disse Sting.

Diretor-executivo da Rainforest Foundation, Joe Eisen lembra que o desmatamento é um fator determinante no surgimento de surtos de doenças, como a Covid-19, e que os povos indígenas estão entre as populações mais vulneráveis, devido à falta de imunidade —já que muitos povos ainda vivem em isolamento— e à falta de estrutura da rede de assistência básica nas terras indígenas brasileiras.

O cenário é agravado pela pressão crescente do desmatamento, reflexo da grilagem e de invasões em territórios protegidos por mineradoras e madeireiras ilegais, principalmente.

“Os povos indígenas estão entre os mais vulneráveis à Covid-19 devido a sua maior susceptibilidade a esses tipos de doenças e à falta de acesso a instalações médicas adequadas. No entanto, são eles que defendem os ecossistemas que protegem o mundo de grandes pandemias. Precisamos nos unir para apoiar os povos indígenas e outros guardiões da floresta, agora”, disse Eisen.

A diretora-executiva da Rainforest Foundation nos Estados Unidos, Suzanne Pelletier, lembrou que os indígenas são os principais defensores da floresta e estão sob grave ameaça pela Covid-19, situação que é agravada pelo avanço do desmatamento na Amazônia.

Segundo dados do Deter, ferramenta de monitoramento de alertas de desmatamentos do Inpe (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais), o desmatamento na Amazônia Legal aumentou 94% entre agosto de 2019 e abril de 2020, em relação com o mesmo período dos anos anteriores, somando 567 mil hectares em nove meses.

“A proteção das florestas tropicais é fundamental para a capacidade mundial de combater a crise climática, e a ciência mostra que os povos indígenas estão mais bem equipados para proteger as florestas, o que torna as comunidades que vivem na floresta as defensoras da linha de frente. Protetoras do planeta, elas ainda estão sob grave ameaça da Covid-19”, apontou Pelletier.

Para o diretor-executivo da Rainforest Foundation Noruega, Oyvind Eggen, o SOS Rainforest Live pretende passar uma mensagem do mundo todo ao Brasil, de que “as taxas atuais de desmatamento e as invasões a terras indígenas no Brasil e em outros países são inaceitáveis”.

Destaques do festival

O SOS Rainforest Live incluirá apresentações de artistas como Anitta, Carlinhos Brown, Manu Chao, Stephen Fry, Gilberto Gil, Alan Parsons, Aurora, Carlos Vives, Lisa Simone, The Scorpions, Jorge Drexler, Maná, Seu Jorge, Mathilda Homer, Maria Gadú, Tony Garrido, Aterciopelados, Gaby Amarantos, Tropkillaz, Duda Beat, Afro B, Lyla June, Jupiter e Okwess, Sandrayati Fay, OMI, Dj Soul Slinger e Jorge Mautner, Evandro Mesquita, George Israel, Vanessa Falabella e Zeca Baleiro.

O festival será transmitido a partir das 16h deste domingo (21) pelo site SOSrainforestlive.org e no YouTube e TikTok.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.