Descrição de chapéu clima

Desespero, raiva e sensação de fracasso atingem cientistas climáticos diante da falta de ações efetivas

Especialistas se dizem exaustos diante de tragédias e pedem novas abordagens contra inação

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Lisboa

Ao ver as primeiras imagens das enchentes no Rio Grande do Sul, no começo do mês, a bióloga Erika Berenguer, pesquisadora da Universidade de Oxford e referência nos estudos sobre impactos do fogo nas florestas tropicais, voltou a ter problemas digestivos.

Em regressão até aquele momento, o quadro de gastroparesia –mais conhecido como síndrome de atraso no esvaziamento gástrico– piorou. Ela passou a ter dores, inchaço no corpo e dificuldades para se alimentar.

Sem ter nenhum dos principais fatores de risco para a doença, o distúrbio foi atribuído pela equipe médica à exposição elevada ao estresse. Erika conta que, desde 2015, ano em que o El Niño contribuiu para incêndios devastadores na amazônia, vem enfrentando episódios de ansiedade e outras manifestações físicas relacionadas à situação da floresta e às mudanças climáticas. "Ainda é bem difícil de falar sobre isso", afirma.

Pessoa em meio a área queimada
A bióloga Erika Berenguer, pesquisadora da Universidade de Oxford, em área de queimada; especialistas em questões climáticas relatam problemas de saúde - Marizilda Cruppe/Rede Amazônia Sustentável

A destruição da floresta trouxe ainda outras consequências físicas para a saúde da pesquisadora. Em 2023, em meio a mais uma temporada de incêndios e às partículas de poluição no ar, ela contraiu uma pneumonia.

"A primeira vez que eu senti o luto ecológico foi em 2015. A região em que eu trabalho, que é no Baixo Tapajós [no Pará], teve 1 milhão de hectares de florestas que queimaram. E eu estava lá, vendo a destruição", relata Berenguer, destacando tanto as perdas na biodiversidade quanto as consequências humanas dos incêndios.

"Eu trabalhava naquelas áreas havia cinco anos. Tinha uma árvore embaixo da qual a nossa equipe sempre comia, porque tinha uma sombra perfeita ao meio-dia. Em outra, tínhamos sempre de olhar para cima, porque, era nela que os macacos gostavam de dormir e aí tinha o risco de levarmos cocô na cabeça. De repente, tudo isso foi destruído", destaca.

"Eu sei que é difícil traduzir isso para as pessoas urbanas, mas é como se, de repente, todas as referências que existem numa cidade, como o nosso café e a nossa padaria favoritos, simplesmente deixassem de existir."

Mulher em floresta queimada
A bióloga Erika Berenguer, da Universidade de Oxford, em área de queimada - Marizilda Cruppe/Rede Amazônia Sustentável

Ela conta que, nos primeiros meses, teve "uma sensação aguda". "Ao longo dos anos, virou uma dor crônica de ver vários lugares que eu conhecia profundamente não existindo mais", detalha.

"Alagamentos e enchentes em cidades são diferentes de uma floresta queimada, mas são pessoas sofrendo e perdendo tudo, inclusive, a sua noção de identidade territorial", explica.

Em um cenário de intensificação de eventos climáticos extremos, recordes de emissões de gases-estufa e calor sem precedentes, com 2023 sendo oficialmente declarado o ano mais quente da história da humanidade, situações como a de Erika Berenguer têm sido cada vez mais relatadas por cientistas envolvidos com as questões ambientais e de mudanças climáticas.

Um levantamento feito pelo jornal britânico The Guardian revelou recentemente que, em todo o mundo, muitos dos principais pesquisadores da área climática se sentem desesperados, enfurecidos e, em muitos casos, emocionalmente afetados pelo claro fracasso nas ações contra o aquecimento global.

A pesquisa contou com a participação de 380 cientistas, todos autores ou revisores de relatórios do IPCC (painel do clima da ONU), que há mais de três décadas alerta para as piores consequências do aumento global de temperaturas.

O grupo, altamente informado sobre a questão, mostra-se pessimista com o futuro: apenas 6% consideram que o aquecimento do planeta será limitado a 1,5°C, o valor preferencial do Acordo de Paris, tido como meta para evitar eventos climáticos mais intensos. Quase 80% dos entrevistados preveem um aumento de pelo menos 2,5°C na temperatura média do planeta em relação ao período pré-industrial.

"Os cientistas são humanos: também somos pessoas que vivem nesta Terra, que também sofrem os impactos das alterações climáticas, que também têm filhos e que também têm preocupações com o futuro", disse Lisa Schipper, da Universidade de Bonn (Alemanha), em entrevista ao Guardian.

"Fizemos a nossa ciência, elaboramos este relatório muito bom e –uau– realmente não fez diferença na política. É muito difícil ver sempre isso."

Em entrevista à Folha, o físico Paulo Artaxo, professor da USP (Universidade de São Paulo) e membro do IPCC, afirma que, nos últimos anos, há um desânimo notável entre parte dos cientistas da área climática.

"Há uma sensação de desespero e de fadiga em parte da comunidade. Obviamente a gente vê isso", afirma.

Paulo Artaxo, professor da USP e membro da equipe do IPCC agraciada com o Prêmio Nobel da Paz de 2007
O físico Paulo Artaxo, professor da USP e membro do IPCC - Divulgação

Segundo Artaxo, os pesquisadores têm se dividido entre duas vertentes. "Há quem pense que não tem mais o que fazer, que nós vamos extinguir 3 bilhões de pessoas no planeta e vamos perder boa parte da biodiversidade. E pronto, isso é um cenário do qual não tem volta", exemplifica.

"A outra metade, da qual eu faço parte, coloca que nós temos de desenvolver a melhor estratégia possível para orientar políticas públicas de redução de gases-estufa, que é a única coisa que pode ajudar a salvar o planeta."

Artaxo afirma que a situação o tem motivado a falar cada vez mais sobre as alterações climáticas, tentando atingir o público mais abrangente possível. "Eu dou três ou quatro palestras por semana, desde universidades e escolas até para o agronegócio", conta.

"O planeta está se encaminhando para um aquecimento médio de 3°C. Muito poucas pessoas na sociedade têm noção do que isso significa", avalia. "Nesse cenário, vamos ter eventos como esses do Rio Grande do Sul praticamente todos os meses."

Especialista em conservação das florestas e pesquisador do Imazon, Paulo Barreto diz que se sente preocupado ao ver que "parte expressiva da sociedade só aprende com a dor crescente das crises climáticas".

"A preocupação é agravada pelo fato de que outros tentam, genuinamente ou por manobra, continuar negando a crise ou a atribuindo a castigos divinos", explica. Segundo ele, é "especialmente frustrante ver pessoas com alto poder de decisão no setor empresarial e governamental continuarem fazendo apostas erradas, como investir em empresas que se beneficiam da destruição."

Homem com cachoeira ao fundo
O pesquisador e especialista em florestas Paulo Barreto, do Imazon - Divulgação

Uma das formas encontradas para lidar com esse sentimento, relata, tem sido o comprometimento em divulgar informações sobre as questões ambientais, como em palestras sobre desenvolvimento sustentável na amazônia.

"Também recorro à história para me inspirar em como a sociedade e as pessoas melhoraram o mundo. Crises podem resultar em cooperação para resolver problemas complicados."

Mesmo com a preocupação com o cenário da floresta e das mudanças ambientais, a bióloga Erika Berenguer diz que não perdeu a motivação para a pesquisa e que continua determinada a fazer a diferença em seu trabalho.

"Se eu achasse que não tem mais como conservar a amazônia, eu não continuava no meu trabalho. E não é uma questão só de achar. Eu tenho evidências de que tudo o que a gente faz para conservar a amazônia agora tem efeitos positivos. Se a gente se desesperar e não fizer nada, vai ser muito pior."

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Tópicos relacionados

Leia tudo sobre o tema e siga:

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.