Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
02/07/2010 - 15h37

Poluição em hidrelétrica de Três Gargantas preocupa ambientalistas

Publicidade

DA REUTERS, EM BEIJING

A China fez pouco progresso nos programas ambientais delineados há quase uma década para limitar a poluição nas regiões próximas ao reservatório das usina hidrelétrica de Três Gargantas, informaram fontes oficias nesta sexta (2).

Menos de 20% dos projetos acertados em 2001 para proteger as águas foram completados. E nenhum dos nove programas para limitar a poluição das águas, causada pela constante passagem de navios no reservatório, teve início.

A usina de Três Gargantas, a maior do mundo, busca domar o rio Yangtsé e fornecer energia limpa e barata. A usina, que custou 254 bilhões de yuan (US$ 37 bilhões) e desalojou 1,3 milhão de pessoas, foi uma obra controvertida mesmo antes do início da sua construção em 1994.

Ambientalistas advertiram que o reservatório poderia se tornar um grande esgoto a céu aberto capaz de voltar até a cidade de Chongqing, grande centro regional.

Mas funcionários do governo trabalhando nas áreas afetadas dizem que nunca receberam as verbas necessárias para realizar os projetos. O vice-ministro de Proteção Ambiental, Zhang Lijun, afirmou que dinheiro não era problema e que qualquer área que não tenha completado pelo menos 60% dos projetos planejados até o fim do ano receberá punições.

 

Publicidade

Publicidade

Publicidade


 

Voltar ao topo da página