Câmara dos Vereadores censura exposição de charges críticas a Bolsonaro em Porto Alegre

Mostra ficou menos de 24 h aberta; cartunista compara argumento ao usado por radicais que atacaram o Charlie Hebdo

Conteúdo restrito a assinantes e cadastrados Você atingiu o limite de
por mês.

Tenha acesso ilimitado: Assine ou Já é assinante? Faça login

Paula Sperb
Porto Alegre

Durou menos de 24 h a exposição de desenhistas gaúchos com charges, tirinhas e cartuns, alguns com conteúdo crítico ao governo de Jair Bolsonaro (PSL), na Câmara de Vereadores de Porto Alegre. 

A exposição “O Riso é Risco: Independência em Risco – Desenhos de Humor” foi vista no local apenas entre as 19h da última segunda-feira (2) e o início da tarde de terça-feira (3), quando foi recolhida por ordem da presidente da Câmara, a vereadora Mônica Leal (PP). A mostra deveria ficar em cartaz até 13 de setembro, mas foi censurada.

A mostra com 36 desenhos de 19 artistas, entre eles nomes como Santiago e Edgar Vasques, foi organizada pelo Grafistas Associados do Rio Grande do Sul (Grafar) com apoio do vereador Marcelo Sgarbossa (PT), que solicitou formalmente o uso do espaço, uma das atribuições garantidas aos parlamentares.

Na semana quando se celebra a independência do Brasil, algumas peças questionam a soberania do país em relação aos Estados Unidos de Donald Trump; outras denunciam a questão indígena, ambiental e de direitos humanos.  

“Foi uma censura. É como censurar uma coluna de opinião de um jornal. Charge é opinião e crítica. Agora os painéis que sustentam os desenhos estão em um canto, acorrentados, o que é muito simbólico”, disse à Folha Leandro Hals, presidente da Grafar, entidade criada há quatro décadas, durante a ditadura militar.

Para a vereadora que determinou a retirada do material, os desenhos ofendem Bolsonaro e por isso não devem ser expostos. “São charges ofensivas com o presidente Bolsonaro lambendo botina do Trump, com uma cadeira presidencial vazia com penico em baixo. Mandei retirar a exposição. Fosse o presidente [retratado] que fosse, não importa a sigla que fosse, não é concebível uma exposição que ofenda o presidente da nação”, disse Leal. 

O cartunista Celso Schröder diz que o argumento da vereadora de que as charges “ofendem Bolsonaro” é o mesmo dos radicais que atacaram o jornal francês Charlie Hebdo com a justificativa de que charges ofendiam lideranças islâmicas e Maomé. Doze pessoas morreram no atentado terrorista ao jornal, em 2015. 

“É o mesmo argumento do ataque em Paris, é um argumento insustentável. É uma censura de estado. É o estado impedindo que uma manifestação se realize. Isso é censura”, diz Schröder, que também é professor de Jornalismo na Faculdade de Comunicação (Famecos) da Pontifícia Universidade Católica do RS (PUC-RS).

O professor explica que a essência da charge é justamente a crítica, seja a governos ou políticos. “A palavra vem do francês ‘charger’ que significa ‘fazer carga contra’. A charge usa o humor. O mecanismo do humor, para funcionar, precisa construir um paradoxo que crie um impacto no leitor, provoque uma tensão que encontra sua saída no riso, para que se construa uma espécie de catarse. É uma piada desenhada”, diz.

Uma das charges mostra Bolsonaro como Narciso, do mito grego em que aparece admirando seu reflexo em um lago. Na charge de Bruno Ortiz, Bolsonaro é um Narciso que olha para a água de uma privada, por exemplo. 

Outro desenho faz um paralelo com a Pietá, de Michelangelo. Ao invés de Maria segurando Jesus, Schröder desenhou uma indígena segurando um jovem com cocar, coberto pela bandeira do Brasil. 

A vereadora argumenta que no pedido aprovado para a realização da mostra não constavam todos os desenhos. Se estivessem anexados, não seriam liberados, disse Leal. 

"Veja como ela naturaliza o papel de censora. Foi anexado uma só. Mas ela usa de suas preferências para impedir a divulgação de uma crítica política", rebateu Sgarbossa, que formalizou o uso do espaço público para os cartunistas. 

“Durante a ditadura, O Pasquim era um jornal com muito cartum. De todas as manifestações culturais censuradas na época, o cartum conseguiu transitar aqui e acolá. É preocupante que agora seja censurado formalmente pelo estado. É um sintoma do que está acontecendo. É o sintoma que preocupa, a exposição a gente faz em outro lugar”, diz Schröder.

"Entendemos que a censura imposta ao trabalho dos cartunistas, independentemente do conteúdo ou outras razões, é injustificável e contraria a tradição de pluralidade dessa Casa do Povo e afronta o princípio constitucional da livre expressão", afirmaram os jornalistas Luiz Adolfo Lino de Souza e João Batista de Melo Filho, presidente e presidente do conselho, respectivamente, da Associação Riograndense de Imprensa (ARI). ​

Relacionadas