Sem dinheiro e doente, ex-goleiro Manga é abraçado por uruguaios

Torcedores do Nacional pagaram viagem, hospedagem e tratamento do brasileiro

Conteúdo restrito a assinantes e cadastrados Você atingiu o limite de
por mês.

Tenha acesso ilimitado: Assine ou Já é assinante? Faça login

São Paulo

Cônsul do Uruguai no Equador, Mateo D'Costa enviou uma mensagem ao amigo Enrique e perguntou se ele poderia atendê-lo por telefone. A razão de sua preocupação não estava relacionada ao trabalho diplomático. Era estritamente afetiva.

"Enrique, o Manga está mal. O atendimento à saúde aqui no Equador está complicado, e ele quer morrer no Uruguai", disse o cônsul.

Manga é Haílton Corrêa de Arruda, 82, goleiro da seleção brasileira na Copa do Mundo de 1966 e ídolo de Internacional e Botafogo, no Brasil, e do Nacional, no Uruguai. Ele vive no Equador desde que pendurou as chuteiras, após defender o Barcelona de Guayaquil no início da década de 1980.

Mateo e e o contador Enrique Singlet, 51, fazem parte de um coletivo de torcedores do clube uruguaio chamado Campeón Para Toda La História. O grupo, que reúne 16 fanáticos (quase todos em Montevidéu), faz um trabalho independente de preservação da memória da equipe.

A partir da notícia do cônsul, seus membros passaram a discutir de que forma auxiliar o ex-goleiro. Descobriram que Manga e sua esposa, a equatoriana Cecilia Cisneros, tinham passagens compradas de Quito para Porto Alegre. O ex-jogador, na época, sofria de insuficiência renal aguda.

Mateo entrou em contato com Cecilia e se encarregou de mudar as passagens. Em vez de Porto Alegre, os dois viajaram para Montevidéu, em setembro de 2019. Foi a saída que o coletivo encontrou para realizar o desejo do ídolo: encerrar a vida no Uruguai.

A multa para alterar o destino custou US$ 854 (R$ 3.500), pagos por Mateo. Depois, ele foi reembolsado pela associação Nostálgicos del Fútbol de Uruguay, que ajuda ex-jogadores do país em dificuldades.

A trupe da Campeón Para Toda la História lançou uma campanha de arrecadação de fundos, que seriam destinados aos cuidados de Manga. No total, conseguiram pouco mais de US$ 6.000 (R$ 25 mil).

Um dos torcedores do grupo, Matías Montiel, 30, disse que não poderia ajudar com dinheiro, mas se dispôs a receber o ídolo num quarto que até então servia de depósito em sua casa.

"Ele [Manga] acabou adiantando sua viagem em dois dias, então só terminei de pintar o quarto às 2h da manhã, com a ajuda do meu filho [Cristiano, 5 anos], e às 3h fomos para o aeroporto buscá-lo", conta Matías à Folha.

Na madrugada do dia 11 de setembro, três carros com torcedores do Nacional foram ao aeroporto de Carrasco receber Manga. O ex-goleiro chegou ao país em uma cadeira de rodas e deprimido. Do local, partiram para um hospital, onde o brasileiro realizou os primeiros exames.

Havia o temor de que Manga pudesse estar com câncer de próstata, mas na verdade se tratava de uma inflamação da região, o que desencadeou problemas renais. Ele foi obrigado a utilizar uma sonda no pênis.

Do hospital, o ídolo partiu para a casa de Matías, que trabalha como entregador de uma empresa de pães e vive com a mãe, a mulher e o filho. O quarto reformado pelo uruguaio para a chegada do ex-goleiro ganhou móveis e TV graças ao grupo, que ainda pendurou uma bandeira do Nacional na parede.

"Minha mulher e minha mãe são do [rival] Peñarol. Fizemos um trato que não haveria nada do Peñarol ou do Nacional em casa. Só coloquei a bandeira para ele se ambientar", brinca.

As duas primeiras semanas foram difíceis, como relembra Matías. Em poucos dias de Uruguai, Manga se sentiu mal e precisou ser levado com urgência para um hospital.

Para que recebesse acompanhamento médico adequado, o grupo contou com a ajuda de Jorge da Silveira, um importante jornalista uruguaio que cobriu a passagem de Manga pelo Nacional quando jogador. "Toto", como é conhecido, pôs o coletivo em contato com a associação mutualista de saúde Asociación Española.

O presidente da entidade conhecia o pai de Enrique e topou cobrir todos os gastos do tratamento de Manga. "Operaram ele 20 dias depois dessa reunião. Já está sem a sonda, a cicatriz ficou perfeita. Hoje está com 10 kg a mais do que quando chegou", afirma o contador.

Time do Nacional campeão da Copa Libertadores de 1971. Primeiro em pé, da esq. para a dir., está o goleiro brasileiro - Nacional

Manga viveu na casa de Matías por pouco mais de um mês, até que se mudou para um apartamento na região central de Montevidéu, a sete quadras da Asociación Española.

"Começamos a dizer: 'Vamos tirar Haílton [Manga] daí, senão teremos dois problemas, conseguir uma casa para ele e outra para Matías, porque sua mulher vai tirá-lo na base da porrada'", relembra em tom de brincadeira Enrique.

Os custos da nova moradia eram pagos pelos torcedores, que também forneciam uma quantia de US$ 700 (R$ 2.800) ao casal para que eles pudessem ter alguma economia.

Em um jantar beneficente, os integrantes do Campeón de Toda la História conseguiram vender 122 tíquetes a US$ 100 dólares cada um. O resultado líquido do evento, segundo Enrique, foi de quase US$ 9 mil (cerca de R$ 36 mil), quantia entregue a Manga.

Gabriella Doné, 22, torcedora do Botafogo, ficou sabendo da campanha de arrecadação coletiva e se mobilizou na internet para uma vaquinha. Junto a outros botafoguenses, levantou R$ 5 mil, que foram enviados para o ex-jogador.

"Tenho uma simpatia grande pelo Loco Abreu (ex-jogador de Botafogo e Nacional) e meu namorado, que é uruguaio, também viu umas notícias do Manga. Nós [torcedores] do Botafogo não sabíamos exatamente o que estava acontecendo. Me movimentei pelo Twitter e criei a vaquinha. Queria ajudar ele de alguma forma", conta.

Recuperado do problema renal, Manga foi a 12 jogos do Nacional, segundo o grupo. No camarote de Enrique, ele recebia o carinho dos torcedores. Em uma das partidas da equipe, sua presença foi anunciada nos alto-falantes do Gran Parque Central, gerando ovação por parte das arquibancadas.

Manga acena para torcedores em camarote no Gran Parque Central, estádio do Nacional - Enrique Singlet/Arquivo pessoal

Entre os membros do coletivo, só um viu Manga jogar: Gabriel, 67, o mais abalado pelo estado de saúde do ídolo.

Enrique tem pouquíssimas memórias do brasileiro. Ele conta que guarda, em casa, uma fotografia sua entrando em campo com o goleiro, mas não se recorda desse dia.

Matías só ouviu falar das façanhas do jogador. Mas nunca se esquecerá de quando abrigou Haílton, como eles comumente se referem ao brasileiro, em sua própria casa.

"Ele jogava bola com meu filho, víamos os jogos da Champions, íamos ao estádio. Encheu-me a alma", diz o torcedor.

 
Manga, de casaco azul ao centro, se despede dos torcedores do Nacional no aeroporto de Carrasco, no Uruguai - Enrique Singlet/Arquivo pessoal

Depois de aproximadamente quatro meses, Manga e sua esposa, Cecilia, decidiram retornar ao Equador.

Enrique e outros membros tentaram demovê-los da ideia, mas sem sucesso. "Explicamos que não poderíamos fazer tudo isso de novo, mas também não podemos segurá-los", afirma.

"Nos vamos por decisão própria", diz Cecilia, que tem filhos e netos no país, os quais Manga considera como seus. "Eu mandei fotos para todos os clubes do Brasil, mas não houve ajuda. Ele estava morrendo. Voltaremos ao Equador, depois de quatro meses, porque temos de voltar. Ele está operado, era o principal."

Na madrugada da última terça-feira (14), quatro carros com torcedores do Nacional acompanharam Manga e a esposa até o aeroporto de Carrasco. No voo rumo a Quito, marcado para as 5h, embarcou caminhando um homem que, há quatro meses, chegara a Montevidéu em uma cadeira de rodas.

Haílton Corrêa de Arruda levou na bagagem o carinho definitivo dos torcedores do Nacional, capazes de mobilizar um mundo, ainda que seu pequeno mundo, em nome de um ídolo.

A trajetória de Manga

Nascido em Recife no dia 26.abr.1937, Haílton Corrêa de Arruda, o Manga, foi revelado pelo Sport. Em 1959, chegou ao Botafogo, onde se tornou um dos maiores goleiros da história do clube. Foi pelo time alvinegro que ganhou a convocação à Copa do Mundo de 1966. No Brasil, ainda jogou no Internacional, onde foi bicampeão brasileiro, além de Operário-MS, Grêmio e Coritiba. Encerrou a carreira no Barcelona de Guayaquil (EQU), aos 45 anos.

No Nacional, defendeu o clube em 342 jogos, de 1968 a 1974. Conquistou quatro títulos do Campeonato Uruguaio, uma Libertadores e um Mundial. Durante sua passagem pela equipe, o Nacional ficou 16 jogos invicto no clássico com o Peñarol. Chegou até a marcar um gol, chutando da própria área. Foi em 1973, contra o Racing (URU), pela Copa Cidade de Montevidéu.

No Brasil, comemora-se o Dia do Goleiro no dia 26 de abril em homenagem a Manga.

Receba notícias da Folha

Cadastre-se e escolha quais newsletters gostaria de receber

Ativar newsletters

Relacionadas