Siga a folha

Descrição de chapéu Cinema

França defende 'Lindinhas', filme acusado por Damares de sexualizar meninas

Para ministra da Cultura francesa, críticas se baseiam em imagens descontextualizadas

Continue lendo com acesso ilimitado.
Aproveite esta oferta especial:

Oferta Exclusiva

6 meses por R$ 1,90/mês

SOMENTE ESSA SEMANA

ASSINE A FOLHA

Cancele quando quiser

Notícias no momento em que acontecem, newsletters exclusivas e mais de 200 colunas e blogs.
Apoie o jornalismo profissional.

São Paulo

O Ministério da Cultura da França publicou nexta sexta (18) carta em apoio a "Lindinhas", filme que fez a Netflix ser acusada de sexualizar crianças.

Em nota, o governo francês diz que críticas dirigidas ao filme "Lindinhas" e à diretora Maïmouna Doucouré se baseiam em um série de imagens descontextualizadas e reducionistas. Além disso, os ataques imputam à diretora uma intenção que ela não teve e que vai em "total contradição com o que a obra propõe".

O comunicado traz os nomes da ministra da Cultura, Roselyne Bachelot-Narquin, e da ministra da igualdade de gênero, Élisabeth Moreno.

Bachelot-Narquin e Moreno, na nota, "defendem a difusão do longa-metragem de Maïmouna Doucouré pelo mundo, em nome da liberdade de criação, pilar essencial da vida democrática".

"Este filme deve continuar a ser exibido para todos os públicos e a alimentar um debate pacífico, baseado em leituras esclarecidas da obra."

“Lindinhas” conta a história de Amy, uma menina de 11 anos de origem senegalesa que se muda para a França com sua família. A pequena conhece um grupo de dança de garotas de sua idade, Mignonnes —também o nome original do filme, em francês—, o que não é aprovado por sua família religiosa e conservadora.

A jovem protagonista, interpretada pela atriz Fathia Youssouf, vive um embate entre as descobertas de sua nova vida e as suas origens e costumes. Mas o que poderia ser mais um filme sobre diferenças culturais e as descobertas do começo da adolescência virou objeto de uma série de polêmicas.

O longa, acusado de sexualizar crianças, chegou aos assuntos mais comentados no Twitter nos Estados Unidos quando estreou no catálogo da Netflix. Em entrevista ao site especializado Deadline, a diretora e roteirista Maïmouna Doucouré disse que recebeu ameaças de morte.

A ministra Damares Alves, da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, afirmou nesta segunda-feira (14) que está tomando providências contra o filme "Lindinhas". O longa, que foi premiado no festival Sundance, entrou na mira da ministra, que por meio do Facebook chamou a produção de "abominável".

"Estou brava, Brasil! Estou muito brava! É abominável uma produção como a deste filme. Meninas em posições eróticas e com roupas de dançarinas adultas", escreveu Damares. "Quero deixar claro que não faremos concessões a nada que erotize ou normalize a pedofilia! Quero aproveitar e dar um recado aos pedófilos que por anos tem vindo ao Brasil abusar de nossas crianças: no Brasil existe um governo que se importa de verdade em proteger as crianças e as famílias."

Receba notícias da Folha

Cadastre-se e escolha quais newsletters gostaria de receber

Ativar newsletters

Relacionadas