Vários dirigentes de entidades patronais são acusados de corrupção

Investigados e até presos em ações da PF, alguns renunciam, outros permanecem no comando

Conteúdo restrito a assinantes e cadastrados Você atingiu o limite de
por mês.

Cadastre-se e tenha acesso a 10 reportagens por mês. Já possui cadastro ou é assinante? Faça login.

Assine a Folha e tenha acesso ilimitado. Já é assinante? Faça login.

Raquel Landim
São Paulo

Assuero Doca Veronez, presidente da Faeac (Federação da Agricultura do Acre), foi preso, em Rio Branco, pela Operação Delivery, da Polícia Federal, por suspeita de participar de uma rede de exploração sexual de menores em novembro de 2012.

No ano seguinte, ele foi condenado a seis anos de reclusão, com o direito de recorrer em liberdade.

Na época em que o escândalo veio à tona, Assuero era vice-presidente da CNA (Confederação Nacional da Agricultura) e foi rapidamente afastado do cargo. Mas, passados seis anos, a situação voltou a ser exatamente a mesma.

Assuero acaba de ser reeleito para mais um mandato, que vai até 2021, à frente da Faeac e continua como vice-presidente da CNA.

Procurada, a assessoria de imprensa da Faeac não retornou às ligações.

A assessoria da CNA não quis comentar a situação do líder sindical, se ele foi condenado ou inocentado em segunda instância, e disse apenas que todos os presidentes de federação são vice-presidentes da confederação.

A acusação ao dirigente acriano é apenas a mais extrema. A Folha identificou outros exemplos de presidentes e ex-presidentes de federações e confederações presos, investigados ou suspeitos de ter cometido crimes —os mais comuns são nepotismo, corrupção e desvio de recursos.

Orlando Diniz, então presidente da Fecomercio do Rio de Janeiro, foi preso acusado de participar do esquema de lavagem do dinheiro do ex-governador Sérgio Cabral (MDB).

Posteriormente liberado por um habeas corpus concedido pelo ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal, Diniz acabou renunciando à presidência da entidade.

Desde então, o Sesc e o Senac do Rio passaram a ser administrados por um interventor indicado pela CNC (Confederação Nacional do Comércio), cujo presidente é inimigo político de Diniz.

Luiz Gastão Bittencourt se licenciou da presidência da Federação do Comércio do Ceará para ocupar o cargo.

Pairam sobre o interventor suspeitas de ligações entre suas empresas, que administram presídios, e políticos —acusações que ele nega e argumenta que "não há qualquer decisão desfavorável" da Justiça.

Também foi preso neste ano, no Rio, Lelis Teixeira, presidente da Fetranspor (Federação das Empresas de Transporte de Passageiros do Rio).

Com o maior empresário de ônibus do Estado, Jacob Barata Filho, Lelis foi acusado de participar de outro esquema de Cabral. Ele renunciou ao comando da Fetranspor.

Clésio Andrade, presidente da CNT (Confederação Nacional do Transporte) foi condenado a cinco anos de prisão por participar do desvio de recursos de estatais mineiras quando era vice-governador do estado, conhecido como "mensalão tucano".

Segundo a assessoria de imprensa da entidade, a condenação é "injusta e absurda" e "se refere ao período em que Clésio estava licenciado para concorrer como vice-governador, não havendo, portanto, relação com as atividades na CNT".

Relacionadas