Descrição de chapéu Governo Bolsonaro

Guedes é meu patrão na economia, e não eu o patrão dele, diz Bolsonaro

Presidente afirma que carro-chefe de 2020 será a pauta econômica e nega criação de imposto

Conteúdo restrito a assinantes e cadastrados Você atingiu o limite de
por mês.

Tenha acesso ilimitado: Assine ou Já é assinante? Faça login

Brasília

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) disse neste sábado (21) que, na área econômica, o ministro Paulo Guedes (Economia) é quem manda nele, e não o contrario.

"Eu que tenho que me alinhar a ele, não ele a mim. Ele que é meu patrão nesta questão, não eu o patrão dele", disse Bolsonaro em mais de duas horas de conversa com jornalistas à beira da piscina do Palácio da Alvorada pela manhã.

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) participa de café da manhã com jornalistas na manhã deste sábado (21) - Folhapress

O presidente da República afirmou que o "carro-chefe" de seu governo em 2020 continuará sendo a economia, com foco em facilitar o empreendedorismo.

"O que mais nós queremos é facilitar a vida de quem quer empreender. Tem que lançar o plano 'Minha Primeira Empresa' para tirar isso do discurso da oposição. Você quer criar uma empresa, vai criar. O salário está baixo, você paga R$ 5.000, R$ 10 mil, R$ 30 mil para quem for trabalhar na tua empresa, esta que é a ideia", afirmou Bolsonaro.

Ele também disse ter sugerido à equipe econômica alteração no limite de isenção do Imposto de Renda, ampliando de R$ 1.903,98 para R$ 3.000.

Na campanha, Bolsonaro chegou a defender isenção de IR para quem ganhasse até cinco salários mínimos (cerca de R$ 5.000). Neste sábado, o presidente disse que R$ 5.000 seria o ideal. "Mas aí o impacto é muito grande", ponderou.

"Quem paga Imposto de Renda nessa faixa [R$ 3.000], quando vai prestar [a declaração de IR] em março, abril do ano que vem, ele tem nota fiscal, não sei o quê, recupera tudo de volta. Você pode evitar essa mão de obra enorme para a Receita, para o cara que, às vezes, tem que procurar vizinho, filho, tem dor de cabeça para fazer essa declaração de Imposto de Renda", afirmou.

Sobre a reforma tributária, questão que é tratada como prioridade no Congresso, ele afirmou que o governo apenas apresentará sugestões para as propostas que já tramitam no Legislativo.

"Eu vou na linha do Posto Ipiranga. Ele falou que vai apresentar sugestões em forma de emendas. É um interesse da sociedade a reforma tributária como era a Previdência. Não vejo tanta dificuldade. O que tenho falado com o Paulo Guedes é usar mais a palavra simplificação. Se no passado todas as outras tentativas não deram certo, se tivesse simplificado um pouquinho, hoje, talvez, não precisasse de uma reforma tributária."

Câmara e Senado trabalharam em 2019 propostas diferentes de reforma tributária. Havia a previsão de que o governo encaminhasse uma terceira proposta, que serviria de linha mestra. Porém, não foi isso o que aconteceu.

No início da semana, ficou acordado que se criaria uma comissão mista de deputados e senadores para fazer um texto comum que contaria com as sugestões da equipe econômica do governo.

Essa comissão deveria ter sido criada até o final da semana, mas divergências sobre indicações de integrantes do colegiado adiaram os planos.

Outro ponto que gerou ruído foi a proposta de Paulo Guedes de se criar um imposto sobre transações financeiras em meios digitais.

Guedes disse que o governo estuda incluir na reforma tributária um imposto sobre transações financeiras em meios digitais, como por aplicativos de celular ou via o internet banking.

Ao defender a proposta, ele argumentou que o novo imposto não seria igual à extinta CPMF (Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira), que sofreu críticas dentro do governo e foi barrada pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido).

No fim da semana, porém, os presidentes da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), disseram que o Legislativo não aprovará nenhum aumento de imposto.

Neste sábado, Bolsonaro também disse que não haverá criação de um novo tributo.

"Em torno de 36% da nossa carga tributária... Não tem como baixar isso aí. Não vamos aumentar também, não vamos aumentar. A [reforma da] Previdência vai dar um alívio nesta área. Agora, o negócio é complicado, complicadíssimo. Para mim, desculpa aqui, prefiro deixar isso na mão do Paulo Guedes para ele achar o que é melhor, decidir o que é melhor. Criar um novo imposto não existe. Você pode até inventar um novo nome para acabar com outros, substituição", afirmou Bolsonaro.

O presidente, no entanto, evitou entrar em detalhes para não melindrar seu ministro da Economia.

"Não quero falar algo que possa constranger o Paulo Guedes amanhã por desconhecimento da minha parte. Não tenho como saber de tudo o que  acontece no governo."

Indagado sobre o protagonismo de Rodrigo Maia na aprovação da reforma da Previdência no Congresso, Bolsonaro ironizou a aparência dos presidentes da Câmara e do Senado.

"Toda honra e toda glória a Rodrigo Maia. Não faço questão de ser pai da criança. Um beijo para o Rodrigo Maia, para o Davi Alcolumbre. Viram como eu não sou gordofóbico?", indagou.

Receba notícias da Folha

Cadastre-se e escolha quais newsletters gostaria de receber

Ativar newsletters

Relacionadas