Siga a folha

Goldman reformula avaliações de funcionários e abre porta para cortar mais empregos

Medida pode levar a maior corte do banco nos últimos anos

Conteúdo restrito a assinantes e cadastrados Você atingiu o limite de
por mês.

Tenha acesso ilimitado: Assine ou Já é assinante? Faça login

Nova York | Reuters

O Goldman Sachs está adotando um sistema de avaliação de desempenho que classificará até 10% de seus 39 mil funcionários com desempenho aquém do esperado este ano, segundo memorando interno enviado nesta segunda-feira (27), o que pode levar a mais cortes de empregos em 2021 do que o banco fez nos últimos anos.

O novo chefe de recursos humanos do Goldman Sachs, Bentley de Beyer, que chegou em janeiro, está reformulando o processo de avaliação de desempenho do banco de investimentos para torná-lo mais transparente e determinar qual proporção de funcionários é colocada em cada grupo, disse a porta-voz Leslie Shribman.

O principal objetivo é que os funcionários saibam onde estão, pois cerca de 90% da força de trabalho do banco trabalha em casa devido a restrições da Covid-19, disse Shribman, que confirmou o conteúdo do memorando visto pela agência de notícias Reuters.

Logo da Goldman Sachs - Lucas Jackson/Reuters

As alterações na avaliação do Goldman Sachs são outro sinal de que as restrições por causa da pandemia estão levando algumas grandes empresas a revisarem suas políticas de recursos humanos.

"A dinâmica dos desafios de hoje enfatiza a necessidade de mais transparência no feedback e de comunicação ainda mais forte entre nosso pessoal e seus gerentes", escreveu David Solomon, presidente-executivo da Goldman Sachs, no memorando.

Sob o novo sistema, 25% da equipe será classificada como "acima das expectativas", 65% receberão um "atende plenamente às expectativas" e 10% serão marcados como "atende parcialmente às expectativas" em suas revisões anuais em dezembro.

Os funcionários também terão conversas formais de desempenho mais frequentes com seus gerentes - pelo menos três vezes por ano a partir de 2021, de acordo com o memorando. Antes, eles se reuniam para discutir o desempenho duas vezes por ano.

O banco não divulgou o percentual de funcionários em cada grupo de desempenho anteriormente e Shribman se recusou a dizer como as novas taxas se comparam ao sistema anterior.

O Goldman Sachs é conhecido por sua rigorosa revisão anual, que normalmente abre caminho para corte de cerca de 5% da equipe, geralmente por não atingir metas de desempenho. O banco disse que os cortes permitem contratar um fluxo constante de novos talentos, que se tornaram uma prioridade no ano passado.

Não houve grandes cortes de empregos este ano e seu quadro de funcionários em 30 de junho subiu 10% contra 12 meses antes.

Shribman se recusou a dizer se as mudanças resultarão em aumento de cortes de empregos em 2021 e as notas de desempenho são apenas um fator nessas considerações.

Apesar de um ambiente econômico difícil causado pela pandemia, o Goldman Sachs reportou aumento de 41% na receita trimestral no início deste mês, devido a fortes receitas de trading e de banco de investimento.

Receba notícias da Folha

Cadastre-se e escolha quais newsletters gostaria de receber

Ativar newsletters

Relacionadas