Siga a folha

Descrição de chapéu desmatamento

Governo mais atrapalha do que ajuda comunicação do agro, diz representante de cooperativas

Para presidente de entidade, ministra da agricultura Tereza Cristina é exceção no processo

Você atingiu seu limite de matérias livres

Assine e tenha acesso Ilimitado

– OFERTA ESPECIAL – 1 ANO DE DESCONTO –

Cancele quando quiser

R$ 1,90 POR 3 MESES

+ 9 de R$ 19,90 R$ 9,90

Notícias no momento em que acontecem, newsletters exclusivas e mais de 120 colunistas. Apoie o jornalismo profissional.

São Paulo | Reuters

O governo brasileiro não tem sido eficiente em comunicar as iniciativas do agronegócio brasileiro, principalmente aquelas que dizem respeito à sustentabilidade, e muitas vezes reage de maneira equivocada, disse o presidente da OCB (Organização das Cooperativas do Brasil), Márcio Lopes de Freitas, nesta segunda-feira (3).

"O nosso governo tem sido muito menos competente do que a iniciativa privada na comunicação do nosso Brasil lá fora, principalmente do Brasil agro", afirmou ele, durante Congresso Brasileiro do Agronegócio, realizado de forma online.

Segundo ele, a exceção nesse processo tem sido a ministra da Agricultura, Tereza Cristina.

Para Freitas, a ministra "tem sido uma gigante na habilidade inclusive de contornar problemas que o governo causa na comunicação externa".

"A iniciativa privada, as empresas, as cooperativas, as próprias organizações dos produtores têm sido mais eficientes, o governo tem atrapalhado muito mais do que ajudado e precisa rever esse conceito", destacou.

Presidente da OCB (Organização das Cooperativas Brasileiras), Márcio Lopes de Freitas - Marcelo Camargo/Agência Brasil

O agronegócio brasileiro muitas vezes é criticado por supostamente não seguir as melhores práticas de desenvolvimento sustentável, e muitos ambientalistas conectam a expansão do setor ao desmatamento, a despeito do ganho de produtividade do segmento.

As críticas aumentaram durante o governo do presidente Jair Bolsonaro, que para muitos não tem uma postura firme contra o desmatamento na Amazônia.

"Não é se defendendo a qualquer custo das acusações, dos desafios que se colocam, que nós vamos resolver isso, temos que encararam o problema de frente, temos que aceitar os comandos do consumidor, do consumidor global, é por aí que nós temos que andar".

"Boto esse 'brinco' da baixa comunicação nas costas do Executivo, do governo", disse Freitas.

Receba notícias da Folha

Cadastre-se e escolha quais newsletters gostaria de receber

Ativar newsletters

Relacionadas