Siga a folha

Trump analisou proibir mais aplicativos chineses, diz chefe de gabinete

No sábado (15), Trump havia dito que poderia pressionar mais empresas chinesas, como a gigante Alibaba

Continue lendo com acesso ilimitado.
Aproveite esta oferta especial:

1 ANO DE DESCONTO

3 meses por R$1,90

+ 9 de R$ 19,90 R$ 9,90

ASSINE A FOLHA

Cancele quando quiser

Notícias no momento em que acontecem, newsletters exclusivas e mais de 120 colunistas.
Apoie o jornalismo profissional.

Air Force One | Reuters

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, analisou a proibição de outras empresas chinesas após decisão de banir o aplicativo TikTok no país, disse o chefe de gabinete da Casa Branca, Mark Meadows, nesta segunda-feira (17).

"A maior parte do que o presidente analisou foi a proibição de outros aplicativos chineses que possam coletar informações pessoais e apresentar um risco potencial à segurança nacional", disse Meadows a jornalistas a bordo do Air Force One.

Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, em Oshkosh, Wisconsin - Brendan Smialowski/AFP

No sábado (15), Trump disse que poderia pressionar mais empresas chinesas, como a gigante Alibaba.

Trump, que fez da mudança nas relações comerciais entre os EUA e a China um tema central de sua presidência, criticou duramente as empresas chinesas citando questões de segurança nacional. De acordo com uma lei chinesa implementada em 2017, as empresas têm a obrigação de apoiar e cooperar com o trabalho de inteligência nacional da China.

O governo Trump também ordenou que a proprietária do TikTok, ByteDance, se desfizesse de suas operações nos Estados Unidos em até 90 dias.

Receba notícias da Folha

Cadastre-se e escolha quais newsletters gostaria de receber

Ativar newsletters

Relacionadas