Siga a folha

Fechamento de empresas cai 17,1% no Brasil de maio a agosto, diz ministério

No período foram abertas 1,11 milhão de companhias, numa alta de 2% sobre os mesmos meses de 2019

Continue lendo com acesso ilimitado.
Aproveite esta oferta especial:

1 ANO DE DESCONTO

3 meses por R$1,90

+ 9 de R$ 19,90 R$ 9,90

ASSINE A FOLHA

Cancele quando quiser

Notícias no momento em que acontecem, newsletters exclusivas e mais de 120 colunistas.
Apoie o jornalismo profissional.

Brasília | Reuters

O fechamento de empresas no Brasil entre maio e agosto caiu 17,1% sobre igual período do ano passado, com encerramento de 331.569 negócios, informou o Ministério da Economia nesta quinta-feira (17).

Na comparação com os primeiros quatro meses deste ano, houve recuo de 6,6% no fechamento das empresas. Em boletim, a pasta avaliou que o movimento denota que "o empreendedor tem aguardado a retomada econômica antes de tomar qualquer decisão precipitada em relação ao encerramento de suas atividades".

O ministério chamou a atenção para medidas tomadas pelo governo para ajudar as pessoas jurídicas em meio à crise, dando destaque para o Pronampe, programa em que a União garante os empréstimos tomados por micro e pequenas empresas junto a bancos.

Enquanto houve queda no encerramento de negócios, 1,11 milhão de empresas foram abertas no segundo quadrimestre de 2020, alta de 2% sobre igual etapa do ano passado e de 6% sobre o período de janeiro a abril.

A abertura de negócios foi recorde para o período, disse o Ministério da Economia, apontando que isso "demonstra a reação da economia brasileira em face da pandemia do Covid-19".

Ao fim de agosto, o Brasil contava com 19,2 milhões de empresas ativas, das quais 45,94% no setor de serviços, 35,21% no comércio e 9,53% na indústria de transformação.

Receba notícias da Folha

Cadastre-se e escolha quais newsletters gostaria de receber

Ativar newsletters

Relacionadas