Siga a folha

Descrição de chapéu Governo Bolsonaro

Guedes é retirado de coletiva por ministro militar e líder do governo

Barros é visto falando 'tá bom' algumas vezes e depois repete por várias vezes 'vamos lá'

Você atingiu seu limite de matérias livres

Assine e tenha acesso Ilimitado

– OFERTA ESPECIAL – 1 ANO DE DESCONTO –

Cancele quando quiser

R$ 1,90 POR 3 MESES

+ 9 de R$ 19,90 R$ 9,90

Notícias no momento em que acontecem, newsletters exclusivas e mais de 120 colunistas. Apoie o jornalismo profissional.

UOL

O ministro da Economia Paulo Guedes protagonizou uma cena que chamou a atenção nesta quarta-feira (23) já no fim de uma entrevista coletiva que concedia a jornalistas no Palácio do Planalto, em Brasília. Logo após encerrar uma fala sobre o fim do auxílio emergencial, Guedes foi prontamente retirado pelo general Luiz Eduardo Ramos, ministro-chefe da Secretaria de Governo, e por Ricardo Barros (PP-PR), atual líder do governo na Câmara dos Deputados.

Em imagens da CNN Brasil, Guedes aparece durante todo o tempo que falou com a imprensa acompanhado de perto pelos dois, que ficaram um de cada lado do ministro. Nos últimos momentos da fala, é possível observar o incômodo de Ramos e Barros com a continuidade da entrevista.

Ministro da Economia brincou com situação: 'Agora tem articulação política' - Reprodução

Barros é visto falando "tá bom" algumas vezes e depois repete por várias vezes "vamos lá" enquanto caminha com Guedes para longe dos microfones. Já Ramos, único de máscara entre os três, coloca a mão no ombro do ministro para retirá-lo do local.

A cena rendeu comentários em tom de brincadeira de Guedes enquanto os três se afastavam dos jornalistas. "Agora tem articulação política", disse o ministro, apontando para Ramos e Barros.

"Agora é trabalhar", respondeu o general Ramos.

Enquanto falava à imprensa, Guedes comentou sobre a necessidade de se criar "tributos alternativos" para compensar a desoneração da folha de pagamento para alguns setores e depois citou uma "aterrissagem suave", em referência à extinção do auxílio emergencial, para que o impacto do fim do benefício criado por causa da pandemia do novo coronavírus seja menor.

Receba notícias da Folha

Cadastre-se e escolha quais newsletters gostaria de receber

Ativar newsletters

Relacionadas