Siga a folha

Impacto da pandemia faz CVC ter prejuízo de R$ 1,15 bilhão no 1º trimestre

Segundo a companhia, houve redução significativa nas operações ao longo de 2020

Continue lendo com acesso ilimitado.
Aproveite esta oferta especial:

1 ANO DE DESCONTO

3 meses por R$1,90

+ 9 de R$ 19,90 R$ 9,90

ASSINE A FOLHA

Cancele quando quiser

Notícias no momento em que acontecem, newsletters exclusivas e mais de 120 colunistas.
Apoie o jornalismo profissional.

São Paulo | Reuters

A maior operadora de turismo do Brasil, CVC, divulgou na quarta-feira (30) que sofreu prejuízo de R$ 1,15 bilhão no primeiro trimestre, ante resultado positivo de cerca de R$ 50 milhões no mesmo período de 2019, impactada por grande baixa contábil derivada dos efeitos da pandemia de Covid-19 sobre o setor.

A companhia, que vem trabalhando na divulgação de seus resultados desde constatar distorções contábeis, havia informado no início de setembro que encerrou 2019 com prejuízo de R$ 4 milhões.

A empresa afirmou que excluindo efeitos não recorrentes que incluíram baixa contábil de R$ 637,5 milhões e provisão para perda de créditos fiscais de R$ 302,7 milhões, o resultado dos três primeiros meses do ano teria sido de prejuízo líquido aproximado de R$ 73 milhões.

Interior de uma das lojas da CVC - Roberto Tamer/Divulgação

A baixa contábil referiu-se à "a redução significativa nas operações da companhia e de suas controladas ao longo de 2020 e as incertezas acerca das perspectivas de retomada das atividades do setor de viagens e turismo", afirmou a CVC no balanço.

"O desempenho da companhia nos meses de janeiro e fevereiro estavam em linha com o cenário projetado para o ano, porém março chegou e com ele a enorme tempestade causada pela pandemia."

A receita líquida de vendas da CVC no primeiro trimestre caiu 18% na comparação anual enquanto as despesas operacionais cresceram 12,7%.

A CVC terminou março com patrimônio líquido negativo em R$ 148,1 milhões em comparação a um saldo de R$ 799,2 milhões no fim de 2019.

O total disponível caixa e equivalentes ficou em R$ 606 milhões ante R$ 365,7 milhões no final do ano passado. Porém, a linha contas a receber caiu de R$ 3 bilhões para R$ 2 bilhões no período.

Em relatório sobre o balanço, a KPMG cita "incerteza relevante relacionada com a continuidade operacional" da companhia e que "os planos da companhia consistem substancialmente em realização de aumento de capital e negociação com os debenturistas para repactuação dos vencimentos previstos para 2020".

Executivos da empresa vão falar sobre os rumos da CVC na tarde desta quinta-feira (1º) em teleconferência sobre o resultado do primeiro trimestre., a R$ 16,26.

As ações da companhia fecharam em queda de 2,6%, a R$ 15,71, no pregão desta quinta.

Receba notícias da Folha

Cadastre-se e escolha quais newsletters gostaria de receber

Ativar newsletters

Relacionadas