Siga a folha

Descrição de chapéu
Guillaume Faury

Retomada das viagens aéreas pode ajudar a curar as feridas da crise, diz presidente global da Airbus

Para executivo, debate na Europa e no mundo sobre o papel da aviação na retomada necessita de uma reformulação urgente

Continue lendo com acesso ilimitado.
Aproveite esta oferta especial:

1 ANO DE DESCONTO

3 meses por R$1,90

+ 9 de R$ 19,90 R$ 9,90

ASSINE A FOLHA

Cancele quando quiser

Notícias no momento em que acontecem, newsletters exclusivas e mais de 120 colunistas.
Apoie o jornalismo profissional.

Guillaume Faury

Presidente-executivo do Grupo Airbus

O papel inestimável que a aviação desempenha na sociedade está sendo questionado e colocado em risco com o fechamento de fronteiras e vozes influentes da Europa que clamam para acabar com as viagens aéreas.

A aviação comercial gera mais de 80 milhões de empregos em todo o mundo entre o setor de turismo, a cadeia de abastecimento industrial, companhias aéreas, aeroportos e muitas outras áreas onde atinge sua influência. O fechamento de fronteiras e o cancelamento de voos têm deixado famílias inteiras dispersas, impossibilitadas de se encontrarem pessoalmente, demonstrando que o avião se tornou fundamental para o modo de vida de muitas pessoas.

Pista do aeroporto internacional de Congonhas - Antônio Gaudério/Folhapress

A aviação conecta e une pessoas, culturas e empresas. Atuando como um verdadeiro cordão umbilical do comércio internacional, a aviação apoia o desenvolvimento, a educação e as economias mundiais. As viagens aéreas não apenas ampliam nossos horizontes intelectuais, mas também aliviam as tensões ao nos aproximarmos e nos permitir entender e aprender uns com os outros, ajudando-nos a encontrar respostas para nossos problemas comuns. A aviação protege a paz e a estabilidade no mundo. É o motor do multilateralismo, da diplomacia e dos valores humanos que muitos consideravam naturais desde a segunda metade do século XX. É claro que um mundo mais conectado é um mundo mais próspero e que essa prosperidade fornece a base para inovação em grande escala e transformação duradoura.

Quanto mais longo for o hiato no comércio e na circulação internacional, mais graves serão as consequências. Uma situação econômica adversa prolongada deixará governos e empresas em uma posição mais fraca para enfrentar as dificuldades mais urgentes. São necessárias grandes mudanças em escala global se quisermos enfrentar o maior desafio de nosso tempo: as mudanças climáticas.

Se quisermos enfrentar esse desafio, devemos empreender uma rápida transformação global dos setores de energia e transporte até a indústria pesada e construção. Essas mudanças, por sua vez, dependem do desdobramento urgente de enormes volumes de capital, mas estamos vendo como essa crise está limitando os investimentos das empresas, criando um mundo menos conectado pelo fechamento de fronteiras e mais suscetível a um renascimento do protecionismo, nacionalismo e instabilidade geopolítica.

É isso que está em jogo nesta pandemia e explica por que a retomada rápida e segura das viagens aéreas pode ajudar a curar as feridas desta crise.

No entanto, com o atual aumento da preocupação do público com o meio ambiente, a importância da aviação para a sociedade está em questão. Portanto, lidar com essa preocupação agora é uma prioridade.

Cada setor deve assumir sua responsabilidade e temos o compromisso de assumir a nossa. Embora as emissões da aviação representem apenas 2 a 3% de todas as emissões de CO2 causadas pelo homem, queremos estar na vanguarda dessa grande transformação. Na Airbus, nossa ambição é liderar a descarbonização de nossa indústria e construir a primeira aeronave de passageiros livre de emissões do mundo até 2035. Estamos comprometidos com essa ambição, conforme demonstrado por nossos novos designs de aeronaves livres de emissões. Acreditamos que podemos ser pioneiros no setor com parceiros-chave para tornar os voos comerciais livres de carbono uma realidade. A década de 2020 traz a promessa de um salto gigante para a aviação livre de carbono, e os governos estão promovendo isso ao se comprometerem a financiar pesquisas para a aviação sustentável.

Por isso, o debate na Europa e no mundo necessita de uma reformulação urgente. A indústria da aviação está entrando em um período de inovação sem igual desde o início das viagens aéreas. A aviação tem uma pegada física reduzida no ecossistema: paisagens, flora, fauna e cursos de água naturais permanecem intactos quando as aeronaves voam sobre eles. E quanto a outros setores de transporte? Por exemplo, as expectativas sobre o que a ferrovia pode realizar por conta própria atingiram seu pico na realidade de hoje. A rede de alta velocidade da Europa permanece fragmentada.

Em contraste, a aviação oferece aos passageiros uma amplitude incomparável de conexões —8.600 rotas diretas apenas entre cidades na Europa— e maior alcance: a distância média de cada voo na Europa é de mais de 1.700 km, mais de cinco vezes o comprimento da maioria das viagens ferroviárias. A aviação oferece todas essas vantagens e, ao mesmo tempo, protege a Terra voando sobre ela e preservando seu ecossistema. Desta forma, temos a oportunidade de ser ainda mais visionários do ponto de vista ecológico.

São tempos difíceis e intensos para todos nós. Minha mensagem aos legisladores é clara: a aviação é uma força insubstituível para o bem no mundo e deve permanecer assim no mundo pós-pandêmico.

Receba notícias da Folha

Cadastre-se e escolha quais newsletters gostaria de receber

Ativar newsletters

Relacionadas