Siga a folha

Hyundai, GM e Renault se destacam entre carros 1.0

Modelos populares seguem em evolução, mostra o Ranking Folha-Mauá 2021

Você atingiu seu limite de matérias livres

Assine e tenha acesso Ilimitado

– OFERTA ESPECIAL – 1 ANO DE DESCONTO –

Cancele quando quiser

R$ 1,90 POR 3 MESES

+ 9 de R$ 19,90 R$ 9,90

Notícias no momento em que acontecem, newsletters exclusivas e mais de 120 colunistas. Apoie o jornalismo profissional.

São Paulo

Com seguidas altas nos preços acumuladas desde 2020, os carros populares —equipados com motor 1.0 flex sem turbo— perderam espaço no mercado nacional de veículos novos. Contudo, seguem em evolução, como mostra o Ranking Folha-Mauá 2021.

O Hyundai HB20 1.0 (a partir de R$ 61,3 mil) foi o mais ágil entre os concorrentes em todas as medições de desempenho em pista fechada. Abastecido com etanol, o compacto produzido em Piracicaba (interior de São Paulo) levou 14,2 segundos para chegar aos 100 km/h.

Em comparação aos resultados obtidos pelos modelos 1.0 testados em 2001, há um ganho de aproximadamente quatro segundos.

As primeiras colocações entre os carros 1.0 mais econômicos foram divididas por Chevrolet Onix (menor consumo em circuito rodoviário) e Renault Sandero (melhor resultado nos testes urbanos). Esses veículos custam a partir de R$ 68.430 e de R$ 68,1 mil respectivamente.

O compacto da GM chegou a rodar 21,9 quilômetros na estrada gastando um litro de gasolina. A velocidade média do teste é de 90 km/h.

O hatch da Renault atingiu a média urbana de 10,1 km/l quando abastecido com etanol, o que justifica ser um dos carros mais utilizados por motoristas de aplicativo.

Saiba como são feitos os testes

Para aferir o desempenho dos carros, o IMT (Instituto Mauá de Tecnologia) utiliza o V-Box, equipamento que usa sinal de GPS.

Os testes de aceleração, retomada e frenagem são feitos na pista da empresa ZF, em Limeira (interior de São Paulo).

A etapa que verifica o gasto de combustível na cidade tem 27 km. Para simular um percurso rodoviário com velocidade média de 90 km/h, os engenheiros do IMT dirigem por 31 km. Ambos os trajetos ficam em São Caetano do Sul (ABC), onde fica a sede do instituto.

Se o carro for flex, são feitas duas medições: uma com gasolina, outra com etanol.

Receba notícias da Folha

Cadastre-se e escolha quais newsletters gostaria de receber

Ativar newsletters

Relacionadas