Siga a folha

Homem fere 6 ao causar acidentes na Alemanha e cita motivação religiosa

Suspeito parece ter problemas psicológicos, diz promotoria; há 3 feridos em condição crítica

Continue lendo com acesso ilimitado.
Aproveite esta oferta especial:

1 ANO DE DESCONTO

3 meses por R$1,90

+ 9 de R$ 19,90 R$ 9,90

ASSINE A FOLHA

Cancele quando quiser

Notícias no momento em que acontecem, newsletters exclusivas e mais de 120 colunistas.
Apoie o jornalismo profissional.

Berlim | AFP e Reuters

Um homem provocou vários acidentes na noite de terça-feira (18) com seu veículo em uma rodovia que atravessa Berlim e feriu seis pessoas —​três das quais estão em condição crítica—, em um ato que o Ministério Público classificou como "provável atentado islamita".

A promotoria afirmou que o suspeito citou motivações religiosas para o ataque, mas que ele parece ter problemas psicológicos e não há indícios de que pertença a algum grupo terrorista.

Policial na cena onde um homem atropelou carros deliberadamente em Berlim - Fabrizio Bensch/Reuters

"As declarações do suspeito depois dos atos sugerem uma motivação religiosa e islamita, mas também existem indícios de uma instabilidade psicológica do homem", afirma um comunicado do MP alemão.

O texto diz também que os ataques parecem ter sido dirigidos especialmente contra motociclistas.

A imprensa local informou que o homem que provocou os acidentes é um iraquiano de 30 anos que gritou "Allahu Akbar" (Alá é Grande) quando saiu de seu veículo, depois de bater contra vários automóveis e motos às 18h30 no horário local (13h30 de Brasília).

"Que ninguém se aproxime. Ou todos vão morrer", alertou ele, de acordo com relatos de testemunhas ao jornal Bild, ao ameaçar detonar um artefato explosivo. Ele foi detido imediatamente pela polícia.

O tráfego na rodovia foi interrompido por várias horas, o que provocou um grande engarrafamento. A polícia verificou todas as caixas suspeitas deixadas pelo homem em seu veículo, e nenhum artefato explosivo foi encontrado.

As autoridades alemãs permanecem em alerta pela ameaça islamita no país, sobretudo depois do atentado executado em Berlim pelo grupo terrorista Estado Islâmico (EI) em 2016, quando um caminhão atropelou várias pessoas e deixou 12 mortos.

O ataque extremista foi o mais violento já cometido em território alemão. Desde então, as autoridades impediram mais de dez tentativas de atentados, dois dos quais em novembro de 2019.

Desde 2013, o número de islamitas considerados perigosos na Alemanha se multiplicou por cinco e atualmente está em 680.

A chanceler Angela Merkel é acusada pela extrema direita de ter contribuído para os atentados por sua abertura das fronteiras a centenas de milhares de refugiados e migrantes desde 2015.

Receba notícias da Folha

Cadastre-se e escolha quais newsletters gostaria de receber

Ativar newsletters

Relacionadas