Siga a folha

Descrição de chapéu

Após décadas, o nacionalismo está novamente na moda

Ele se apresenta como instrumento eficaz que apela para sentimentos profundos, move as massas, confronta e une

Continue lendo com acesso ilimitado.
Aproveite esta oferta especial:

1 ANO DE DESCONTO

3 meses por R$1,90

+ 9 de R$ 19,90 R$ 9,90

ASSINE A FOLHA

Cancele quando quiser

Notícias no momento em que acontecem, newsletters exclusivas e mais de 120 colunistas.
Apoie o jornalismo profissional.

Andrés Rivarola Puntigliano

Historiador econômico e professor de estudos latino-americanos, diretor do Instituto Nórdico de Estudos Latino-Americanos da Universidade de Estocolmo

Latinoamérica21

Após décadas de marginalização e desprezo, o nacionalismo está novamente na moda.

Sua demonização foi amplamente promovida e difundida pelos dois grandes expoentes ideológicos da geopolítica global durante o período pós-guerra mundial.

Primeiro, aqueles que pregavam a ideologia liberal, liderada pelos Estados Unidos, promovendo valores universais em relação à democracia e mercados sem fronteiras.

Segundo, do ponto de vista marxista, liderado pela União Soviética, do qual se buscou a construção de um socialismo mundial.

Ambas as correntes lutavam contra o nacionalismo, que era considerado arcaico, elitista, protecionista, estadista ou fascista.

Os grandes adversários ideológicos do nacionalismo estão hoje em crise, assim como a ideia da globalização. Isso abre as portas para o retorno das visões culturais nacionais, em alguns casos embaladas dentro das dimensões civilizatórias.

O objetivo é agrupar sociedades ou comunidades além de um espaço territorial nacional, a fim de apoiar projetos de expansão geopolítica. Não é que eles não queiram ser globais, o problema deles é que hoje não têm força para que sejam.

Nesse contexto, há uma tentativa de reconstrução a partir de baixo, projetando-se transnacionalmente em espaços "civilizatórios".

Um exemplo recente foi a tentativa de construir um novo "Estado islâmico" dentro da estrutura de uma espécie de civilização árabe-muçulmana.

Outra é a reconstrução da Rússia em uma dimensão nacional (e geopolítica) eurasiática. A autoidentificação da China como um "estado- civilização" também é interessante. Esses são projetos que buscam ir além do formato ocidental do Estado-nação vestefaliano, algo que, de certa forma, já havia sido anunciado por Samuel Huntington durante os anos 1990.

Ainda há uma tendência para simplificar o nacionalismo como um fenômeno fascista e "populista", que hoje está ligado à chamada "direita alternativa" (conhecida em inglês como alt-right) estadunidense.

A hegemonia global dos Estados Unidos está enfraquecida, e a potência procura recompor seu domínio sob um novo modelo.

Por um lado, reconstruindo uma dimensão nacional americana na chamada “America first”. Por outro lado, ligando-a a uma projeção em escala global chamada "civilização judaico-cristã".

Mas o nacionalismo não é monopólio das grandes potências e pode e deve ser também uma ferramenta de pensamento geopolítico e de desenvolvimento a partir da periferia.

O presidente Jair Bolsonaro participa de cerimônia de hasteamento da bandeira do Brasil no Palácio da Alvorada, em Brasília - Lucio Tavora - 22.jul.2020/Xinhua

Dimensões do nacionalismo

O nacionalismo não deve ser visto como "unidimensional". Ele existe em espaços de "Estados nacionais", assim como em projeções regionais ou globais que podem ser chamadas de espaços "macro-nacionais" ou de "quinta fronteira".

O sentimento nacionalista pode ser usado para fomentar rivalidades, bem como para promover esforços conjuntos, valorizando o bem-estar do compatriota como seu próprio bem-estar.

Assim, os Estados, e especialmente as grandes potências, procuram expandir sua esfera de poder sobre outros espaços. Essa é uma maneira eficaz de gerar laços de solidariedade e comunidade nacional que permitem o exercício de formas de "soft power" ou hegemonia cultural.

Outro aspecto a ser destacado é a conexão entre o nacionalismo e a economia.

Tradicionalmente, o marxismo tem sido criticado por sua falta de "solidariedade" com respeito às perspectivas de "classe social sem fronteiras". E o ponto de vista "liberal" tem sido contraposto ao homo economicus e a "racionalidade" de um equilíbrio "ótimo" das forças de mercado.

No entanto, essa demonização do nacionalismo não tem sido uma constante ao longo do tempo. Nenhuma das potências econômicas, desde o surgimento do sistema capitalista, chegou à supremacia sem medidas protecionistas justificadas por abordagens nacionalistas e civilizatórias.

O nacionalismo tem sido e é vital para que os países em desenvolvimento gerem laços de solidariedade que facilitem a integração interna de um Estado dentro da estrutura de um projeto de desenvolvimento social e industrial. Uma forma de compensar as restrições periféricas é por meio da "integração regional", cujo sucesso a longo prazo depende da construção de um nacionalismo de "quinta fronteira".

Finalmente, a dimensão ideológica do nacionalismo não é um fenômeno de "direita" ou "esquerda", já que o encontraremos na "imaginação" de todos os Estados nacionais modernos.

Vemos isso na invocação do "sonho americano", nas visões europeias de supremacia civilizacional, no exército vermelho lutando pela "grande pátria".

O nacionalismo é um instrumento eficaz que apela para sentimentos profundos, move as massas, confronta e também une. Tudo depende do uso que é dado a ele.

Nossa coisa (latino-)americana

A América tem tido nações (e Estados-nação) de diferentes dimensões desde antes da colonização.

Com a chegada dos europeus, as ideias nacionais foram regeneradas e surgiu a conexão entre as ideias nacionais e a projeção global. Talvez o mais poderoso neste sentido tenha sido a identidade católica nacional e global.

Com a independência, houve um novo processo de imaginação e reconexão. Novos Estados-nação surgiram e os Estados Unidos conseguiram criar um projeto bem-sucedido de desenvolvimento econômico e unidade.

No caso da América Latina, o que Felipe Herrera chamou de "nação fragmentada" foi construído, procurando compensar as limitações geopolíticas com novos laços supranacionais de integração regional.

Inicialmente, os Estados Unidos tentaram projetar sua dimensão nacional em uma quinta fronteira americana, criando o Pan-americanismo. Mas durante o século 20 esse projeto perdeu prioridade para o projeto de hegemonia global estadunidense.

Hoje, o retorno à "América primeiro" não é um projeto continental americano. A questão é se os Estados Unidos podem dispensar essa ambição, levando em conta sua perda de supremacia geopolítica e a crescente rivalidade de potências estrangeiras, para agir em sua esfera de poder mais interna: o continente americano.

O velho nacionalismo estadunidense não é suficiente para gerar apoio e solidariedade, mesmo a nível nacional. Se o processo de multipolaridade global continuar e sua perda de poder global for acentuada, o retorno dos Estados Unidos em busca de uma nova coesão regional não pode ser descartado.

O velho caminho pan-americano do século XIX poderia ser um caminho a seguir, se "a América primeiro" se referisse ao continente. Por enquanto, este não é o caso, a linha de "Estados Unidos primeiro" foi escolhida, não a construção de uma comunidade americana.

Na América Latina, o declínio de seus projetos de integração regional está ocorrendo ao mesmo tempo em que múltiplas crises estão sendo enfrentadas; confrontos econômicos, pandêmicos e globais entre os Estados Unidos e a China.

Diante desses desafios comuns é vital conceber um projeto de desenvolvimento nacional ligado à dimensão regional e global. Mas o sucesso de um projeto regional supranacional está ligado a uma "comunidade imaginada", uma dimensão nacional da "quinta fronteira".

O fato de a América Latina ter perdido a liderança do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) deve-se principalmente a uma falta de visão sobre o papel do banco e, sobretudo, da região em relação a si mesma.

Essa falta de visão contrasta fortemente com as ideias do primeiro presidente do BID, o chileno Felipe Herrera, que via o banco como "mais do que um banco". Para ele, o BID foi um "banco da integração" e um instrumento para o desenvolvimento do "povo continental" latino-americano na construção de um Estado comum.

www.latinoamerica21.com, um projeto plural que dissemina diferentes visões da América Latina.

Receba notícias da Folha

Cadastre-se e escolha quais newsletters gostaria de receber

Ativar newsletters

Relacionadas